Copa América de Downhill 4X – Julia Alves e Gabriel Giovannini confirmam o favoritismo

Brasileiros confirmam o favoritismo e são campeões de torneio em São Roque

Na Copa América de Ciclismo Downhill 4X, disputada neste domingo, em São Roque, no interior de São Paulo, a atleta Julia Alves conquistou pela quinta vez a competição (já tinha sido campeã nas edições 2014/15/16/19), enquanto Gabriel Giovannini levantou o seu terceiro troféu (campeão em 2018/19).

O percurso montado em São Roque tinha 600 metros de descida, com 12 curvas. No caminho, jardim de pedras, túnel, ponte e uma reta final para fechar a pista.

Copa América de Downhill – Foto Reprodução

A primeira final foi a das mulheres, onde Julia Alves já pulou na frente fazendo a primeira curva em primeiro.
A partir desse momento só aumentou a distância e chegou com o tempo de 55s677. O segundo lugar ficou com a Bruna Ulrich, que não largou muito bem, mas se recuperou bem durante o percurso e chegou com 1m00s309. Mariana Lopes foi terceira colocada.

Esse ano eu vim com mais vontade, por estar há muito tempo sem competir. Vim para curtir, para me divertir. Deu tudo certo – disse Julia.

Não posso negar que fiquei bem ansiosa com a volta, pois foi muito tempo sem competir, mas deu tudo. Estava preocupada com minha bike dar problema no meio da pista e isso aconteceu (escapou a corrente), mas consegui manter a velocidade e conseguir mais um titulo aqui, o que eu considero muito importante – destacou a piloto, de 24 anos.

Ciclismo Downhill, imagens aéreas da pista – Foto Reprodução

Já na final masculina, Gabriel Giovannini largou melhor, com Renato Rezendo colado durante o início no percurso.
Essas posições se mantiveram e Giovannini passou pela linha de chegada com o tempo de 47s208. A segunda posição foi de Renato Rezende, com 47s812. Kaique Milani foi terceiro e Guilherme Ribeiro o quarto.

No ano passado eu não me dediquei muito, então esse ano eu estava com mais gana e vontade de ganhar. Eu treinei muito, não foi pouco não. Sabia que os caras iam vir com tudo, eu treinei muito mesmo – disse o campeão.

Essa conquista foi bem dura, pois estava ao lado de três feras do BMX e que largam demais. Felizmente, também tenho uma base boa do BMX. Não sou profissional como eles, mas treinei bastante, especialmente sprint. É uma sensação muito gratificante, com todo o esforço e dedicação sendo recompensados e se transformarem em vitória. Tudo isso é muito engraçado, uma vez que antigamente eu estaria feliz por estar na final. Hoje, é só a vitória que importa – afirmou Gabriel.

Matéria base originalmente publicada em Globo Esporte e Olimpíada Todo Dia

Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Cuidados para pedalar na chuva

Pedalar debaixo de chuva requer muito mais cuidado por parte do ciclista do que ele teria em um dia ensolarado.
Devemos sempre prezar pela nossa segurança e alguns cuidados são essenciais.

Confira algumas dicas para pedalar na chuva:


– Roupas

Nos tempos chuvosos devemos optar por roupas frescas e leves, que facilitem a transpiração, pois assim secam com mais facilidade.

Também é importante que tenha uma capa de chuva de boa qualidade, de preferência os modelos estilo poncho. Dessa maneira você irá proteger a cabeça, tronco e parte das pernas.

– Mantenha os pés secos

Se os seus pés estiverem molhados, você poderá derrapar do pedal com mais facilidade. Uma medida rápida de evitar isso é colocar uma sacola plástica em volta de cada pé para impedir o contato com a água.

Para quem quiser fazer um investimento maior nesse ponto, poderá investir em um overshoes, que é uma cobertura impermeável para proteger o seu calçado.

– Para-Lamas

Em termos de equipamentos de proteção temos os para-lamas, que é uma excelente maneira de se proteger da água que sobe do chão pelo movimento das rodas.

Se a sua bike não tiver suporte para para-lamas, opte por um modelo que possa ser fixado embaixo do garfo e no canote.
Para os ciclistas que utilizam bagageiros deve-se colocar um para-lama nessa parte também, para que sua bagagem fique preservada.

– Luvas

O uso de luvas é indicado em todas as situações e não somente em dias de chuva. Elas protegem suas mãos em quedas e garantem a aderência necessária para pedalar com mais segurança.

Existem modelos diferentes que podem ser utilizados no frio e no calor. No frio opte pelos modelos fechados e o calor escolhas as com os dedos para fora.

– Roupa Extra

Enquanto estamos andando de bicicleta corremos o risco de pegarmos uma chuva inesperada e ninguém gosta de ficar molhado.

Sempre é bom ter uma roupa de reserva para trocar nessas situações. Leve tudo em uma sacola na mochila (para que a roupa extra não fique molhada também) e troque tudo quando puder.

Com esses cuidados, a sua aventura debaixo de chuva vai ficar muito mais agradável. Cuide da sua segurança e aproveite ainda mais o pedal!

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Equipe a sua bike aqui na Azupa!

MTB, BMX e Estrada! Saiba mais sobre essas modalidades

Mesmo sendo um dos esportes mais praticados no Brasil, muitos daqueles que possuem uma bicicleta não conhecem bem as principais modalidades do ciclismo.

Pensando nisso, vamos explicar um pouco sobre as 3 principais modalidades e suas características.

MTB (Mountain Bike)

O mountain bike, ou simplesmente MTB, é uma das modalidades mais emocionantes do ciclismo e nele você encontrará momentos de muita emoção.

O MTB é dividido em várias categorias, entre elas temos:

– Cross country
– Downhill
– Freeride
– Trip Trail

Sendo praticado em pistas e trilhas de terra batida com subidas e descidas, com ou sem obstáculos, esse tipo de modalidade garante momentos de emoção e belas imagens tanto para quem pratica quanto para quem assiste.

Existem inúmeras competições diferentes dentro do MTB e você encontrará provas em que os atletas fazem a largada juntos e o vencedor é aquele que cruzar em primeiro a linha de chegada, mas também teremos provas contra o relógio, onde o competidor corre sozinho e a vitória fica com o atleta que fizer o percurso em menor tempo.

Para praticar essa modalidade é necessário o uso de bicicletas resistentes e com penus mais largos devido a necessidade que a bicicleta tenha a maior estabilidade possível nos terrenos acidentados.

Saiba mais sobre o MTB Cross Country e a diferença entre XCO e XCM

BMX (Bicicross)

Essa sem dúvidas é a modalidade que mais exige habilidade e, por muitas vezes, a mais bonita de se assistir. As manobras são a alma dessa modalidade, garantindo sempre um espetáculo em cada competição.

Para essa modalidade é importante o uso de bicicletas que possuam pneus menores, normalmente com 20 polegadas de diâmetro (a famosa aro 20”) e é dividida em 2 outras categorias: o BMX Racing (corrida) e o BMX Freestyle (manobras).

No BMX Racing, os competidores disputam uma corrida em uma pista circular com diversos obstáculos e o vencedor é o competidor que concluir o percurso primeiro.

No BMX Freestyle, o objetivo é realizar manobras e o vencedor é o atleta que conseguir as notas mais altas na avaliação dos juízes.
Essa categoria é subdividida em outras cinco: Dirt Jump, Vert, Street, Park, e Flatland, sendo diferenciadas pelo local e a forma de como são executadas as manobras.

Confira nossa matéria onde falamos um pouco mais sobre as modalidades do BMX

CICLISMO DE ESTRADA

As competições mais famosas desse esporte em todo o planeta são dessa modalidade. Podemos dizer que talvez essa seja a modalidade desse esporte mais praticada em todo o mundo.

Os campeonatos geralmente são disputados de forma individual ou por equipe, podendo ser divididos em provas de resistência e de tempo.
Nas provas de resistência, os competidores largam juntos e o vencedor é aquele que concluir o percurso em primeiro lugar. Normalmente são provas longas que podem variar de 150 a 200km para as provas masculinas e entre 60 e 100km para as femininas.

Nas provas contra o tempo, os atletas largam em horários diferentes e o vencedor é o que concluir o percurso no menor tempo possível. Nessas competições os trajetos são em torno de 40km para os homens e 20km para as mulheres.

O ciclismo de estrada é praticado com as Road Bikes, as chamadas “Speed”, que são bicicletas que possuem pneus muito finos e são bem mais leves que uma bicicleta tradicional. Sua aerodinâmica favorece o ganho de velocidade e estabilidade nas estradas.

Não importa a modalidade que você pratique, é extremamente importante que se faça uma boa manutenção na bicicleta sempre que perceber alguma anormalidade e também de maneira preventiva.

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Vai sair pra pedalar hoje?
Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Pedalar Sozinho ou em Grupo?

Alguns ciclistas preferem pedalar sozinhos, já outros não abrem mão da companhia durante o pedal. Ambas as opções trazem benefícios e vamos mostrar algumas delas para que você faça a melhor escolha para os seus treinos.

Pedalar em Grupo

Segurança
A primeira vantagem de pedalar em grupo é a segurança. No trânsito, um grupo vai ocupar mais espaço e impor mais respeito em relação aos carros que estão circulando.

A segurança em relação a assaltos também aumenta quando estamos pedalando com mais ciclistas.

Socialização
Quando estamos em um grupo de ciclistas, a chance de fazer novos amigos com gostos semelhantes é muito maior.

Aplicativos de ciclismos também são boas opções para encontrar novos grupos de pedal. Esses tipos de amizades geralmente extrapolam as ruas e estradas e se propagam para a vida.

Animação
Pedalar em grupos vai ser excelente quando você está desanimado e dificilmente teria vontade de sair para pedalar sozinho. Os parceiros de grupos incentivam uns aos outros e te trará mais animação.

Chuva e frio também são desafios que podem desanimar qualquer ciclista e a motivação extra e o apoio de um grupo fazem toda a diferença para ir pedalar.

Se você é novo em grupos, lembre que cada pessoa possui uma personalidade diferente e por isso tenha calma nesse novo estilo de vida e adapte-se a essa nova cultura.

Pedalar Sozinho

Liberdade
Quando não estamos com demais ciclistas temos a liberdade de definir o trajeto que queremos, realizar mudanças de percurso, decidir as horas de parar para descanso, entre outras questões.

Mas fique atento e pesquise com antecedência o trajeto que irá seguir ou antes por lugares conhecidos e movimentados. Toda cuidado é pouco quando estamos pedalando sozinhos.

Concentração
Muitos ciclistas preferem pedalar sozinhos pois esse momento é perfeito para refletir sobre a vida e o momento de exercício é ideal para esfriar a cabeça e colocar as ideias no lugar.

Determinação
Quando estamos desanimados e sem vontade de fazer qualquer coisa, precisamos de muita determinação para superar esses obstáculos e sair para pedalar.
Fazendo da bike um estilo de vida e estar sempre pedalando, vão te trazer a força de vontade e determinação necessárias para ir pedalar mesmo estando desanimado, pois afinal de contas, pedalar é uma das melhores coisas que existem na vida.

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Deixe a sua bike pronta para o próximo pedal!
Temos tudo o que você precisa aqui na Azupa

Vai fazer um pedal longo ou cicloviagem? Saiba quais ferramentas levar!

Para qualquer pedal mais longo ou uma cicloviagem é necessário se preparar e planejar muito bem todos os trechos e paradas do trajeto.

Mas imprevistos podem acontecer e precisamos estar preparados, principalmente para realizar pequenos reparos para não ficarmos a pé no meio do pedal. Por isso devemos ter um kit de ferramentas para bike sempre à mão.

Vamos ver as principais ferramentas essenciais para qualquer cicloviagem e pedais mais longos:

Chave de Raios

Os raios são os componentes que garantem a rigidez das rodas e consequentemente sustentam o peso da bike, do ciclista e dos demais itens que levar. A chave de raio vai garantir que você faça os apertos necessários para as garantir a manutenção da roda.
Os raios devem ser verificados durante a viagem e reapertados se estiverem folgados demais pois o peso que levamos nas cicloviagens, em alforjes e bolsas laterais, sobrecarregam as rodas.

Chave de Corrente

A chave de corrente é essencial para qualquer pedal mais longo pois essa chave vai extrair o pino quebrado e instalar os novos.
Sem a corrente não podemos pedalar e se essa peça estivar desgastada, existe a possibilidade dela quebrar no meio do pedal e se estivermos muito longe de casa, precisamos realizar a manutenção para não ficarmos a pé.

Power Link

Essa é uma peça que está em conjunto com a chave de corrente, pois o power link é um elo reserva muito importante para podermos realizar a troca do elo que quebrar da corrente durante o pedal.
É importante que essa peça seja compatível com o números de marchas da corrente e também com o fabricante.

Pino de Corrente

O pino de corrente é instalado pela chave de corrente e é parte integrante das peças para reparar a corrente emergencialmente quando essa quebra no meio do pedal.
Assim como o power link, essa peça também tem modelo certo compatível com o número de marchas e fabricante da corrente.

Chave Multiferramentas

As chave multiferramentas ou também chamada de canivete multifunção é uma das ferramentas mais usadas no ciclismo pois com ela podemos realizar uma série de pequenos reparos.
Existem diversos modelos desse tipo de ferramenta, umas mais simples e outras mais completas com diversas chaves no conjunto, até mesmo com chave de corrente inclusa.

Kit Remendo

Um dos imprevistos mais comuns de acontecer durante o pedal é o furo do pneu e da câmara. O kit remendo é o que vai salvar você nessa situação.
São kits portáteis e práticos que devem ser levados em todo pedal, seja curto ou longo.

Bomba de ar portátil

A bomba de ar de mão é um item muito importante que todo ciclista teve ter sempre com ele.
Para pedais mais longos, opte pelos modelos com maior capacidade de pressão, assim você terá a certeza de poder calibrar tanto baixas quanto altas pressões dependendo do tipo de pneu que a sua bike possui.

Cilindro de CO2

Esse é um item para ciclociagens onde a redução de peso e a busca por otimizar os espaços é fundamental.
O cilindro de CO2 tem poucas gramas e alta capacidade de encher grandes pressões, podendo ser transportado facilmente nos suportes da bike.
Dois ou três cilindros e o bico injetor são suficientes para as suas necessidades em qualquer pedal mais longo.

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Ferramentas para a manutenção da sua bike?
Temos tudo o que você precisa aqui na Azupa

A importância de usar óculos de ciclismo ao pedalar

O uso dos óculos é muito importante para todos os ciclistas, não apenas pela questão da estética mas também pela segurança e proteção que eles trazem.
Não importa o terreno ou a condição, seja nas trilhas, cidades, chuva ou sol, o uso do óculos vai garantir um pedal mais seguro.

Muitos ciclistas não usam esse acessório, então por que devo usá-lo?

Não importa a distância a ser percorrida, em todo pedal, mesmo os mais curtos, podemos nos deparar com situações inusitadas e riscos.

Vento, poeira, insetos e outros detritos são bastante comuns e você estará exposto a tudo isso em todas as vezes que sair para pedalar.

Por isso a importância da utilização dos óculos, pois nas trilhas eles protegem a visão do ciclista contra cascalhos soltos e detritos. Já no asfalto, eles evitam as irritações causadas pela fuligem e poeira das pistas e estradas.
Além de protegerem os olhos dos raios UV, eles precisam ajustar os olhos a luz do ambiente e às sombras.

Usar óculos adequados fará você ter muito mais tranquilidade ao pedalar e poderá aproveitar muito mais o seu treino ou passeio.

Características dos óculos de ciclismo

Armação

Pode ser feita de plástico, nylon ou até mesmo de fibra de carbono, esse último muito usado por ciclistas profissionais que precisam reduzir ao máximo o peso do conjunto.

O formato das hastes pode variar, indo desde hastes mais largas enquanto outros modelo optam por mais finas. Opções não faltam em termos de ajustes e furos nas hastes para ajudar na ventilação no rosto.

O conforto das narigueira é muito importante para diminuir o estresse na região causado pelo aperto do óculos no nariz.

Uma boa armação irá permitir a troca das lentes do óculos, o que é muito vantajoso pois existem lentes especificas para cada tipo de iluminação do dia.

Lentes

Além de protegem os olhos das sujeiras e detritos que vão aparecer durante o pedal, as lentes devem ter proteção UV contra os raios ultravioletas do sol.

Você  encontrará lentes que possuem pequenos furos para ventilação e evitar o embaçamento. Proteção anti-risco é fundamental para garantir uma maior vida útil do óculos.

Existem diversos tipos de lentes e cada uma possui uma função e cor diferente. É muito importante saber a função de cada cor para comprar o que atenda à sua necessidade.

Temos um artigo explicando as cores e as vantagens de cada cor das lentes: Por que os óculos de ciclismo são coloridos?

Conheça as vantagens das principais lentes:

Lentes escuras: Para dias com muita claridade em que a incidência de luz é grande.

Lentes claras: Para dias nublados e com pouca luminosidade. Podendo muitas vezes serem usadas à noite.

Lentes fotocromáticas: São ideais para a maioria das condições, tanto para o dia quanto a para a noite pois escurecem ou clareiam de acordo com a luz ambiente.

Lentes amarelas: Para dias nublados e neblina sendo ótimas também para pedalar a noite pois cor amarela transmite o máximo de luminosidade possível.

Os óculos precisam se encaixar perfeitamente no seu rosto. Verifique a curvatura da lente, se ela tem um bom encaixe no rosto e se oferece um bom campo de visão e proteção.
Não são simplesmente acessórios e devem proteger os olhos e a nossa visão. Vá em lojas especializadas e não compre de lugares que não tem marcas e produtos confiáveis.

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Deixe sua bike pronta para o próximo pedal aqui na Azupa

TPI nos pneus da bike? O que significa?

Os pneus de bicicleta trazem, em sua lateral, inúmeras informações que servem para descrever as características, tipo e melhor forma de uso. Desde as setas que indicam o sentido da rotação, passando pela pressão máxima que deve ser aplicada, além de outras informações técnicas, em alguns pneus vamos encontrar a indicação de TPI daquele modelo.

Mas o que significa TPI?

A sigla TPI quer dizer “threads per inch”, ou seja, fios por polegada, que serve para indicar a quantidade de fios de nylon por polegada quadrada que existe na estrutura do pneu.

O TPI mais baixo oferece melhor resistência à perfuração, corte e abrasão, mas é mais pesado. O TPI mais alto se adapta melhor ao terreno, oferecendo uma direção mais suave e confortável, enquanto reduz o peso do pneu.

Quanto mais alto esse número significa que o pneu possui em sua trama fios mais finos e em maior quantidade, portanto, suporta mais pressão.

Especificações de TPI utilizadas pela fabricante Maxxis

Quando a distância entre os fios é maior, o TPI é mais baixo e a carcaça do pneu terá mais borracha e será mais grossa.
Já se a distância entre fios é menor, o TPI aumenta e é usado menos borracha entre os fios, tornando o pneus mais leve e flexível.
Um exemplo disso é um pneu de Downhill que pode possuir 60TPI enquanto um pneu de Road Bike pode ter 120TPI.

Se você precisa de um pneu de alta quilometragem, escolha um TPI menor e se você precisa de um pneu de alto desempenho que gire mais rápido, escolha um TPI maior.

Saiba como entender o tamanho dos pneus de bicicleta

Não confunda TPI com PSI

Os pneus também possuem, em sua lateral, uma marcação de máximo PSI (pound force per square inch) ou libra-força por polegada quadrada, que é a pressão máxima recomendada e esses valores devem ser respeitados para o bom desempenho e garantia da vida útil do pneu.

Vantagens de usar um canote retrátil

Esse item não está mais só restrito aos ciclistas profissionais que precisam de alto desempenho. Os ciclistas amadores também são beneficiados ao usarem essa peça, seja para treinos ou para lazer.

Photo: All Arround MTB Blogspot

Mas o que é o canote retrátil?

É um canote que possui sistema de regulagem hidráulico ou a ar, onde o ajuste da altura é feito de forma remota durante a pedalada.
O acionamento do sistema é feito de forma prática com um controle remoto pelo guidão.
Ao encarar uma descida íngreme precisamos jogar o corpo para trás e com essa peça, é só acionar o sistema para reduzir a altura do canote e depois voltá-lo à altura original quando encaramos uma subida.

Os canotes retráteis podem variar o tamanho entre 130mm a 150mm, com opções para atender as mais variadas modalidades, com alguns modelos com até três opções de ajuste de altura.

Vantagens do canote ajustável

Essa é uma peça que é muito usada nas modalidades de trail e enduro, onde é necessário encarar constantemente muitas subidas e descidas. Com o nível das pistas de XC ficando cada vez mais técnicas, a necessidade de uma condução mais agressiva pelos pilotos tornou necessário a utilização dessa peças nas provas.

As vantagens começam pela maior mobilidade que teremos nas descidas em velocidade onde precisamos de muita técnica e jogo de corpo para encarar esse desafio.

Esqueça aquele problema de ter a camisa ou bermudas largas presas no selim durante o pedal. O canote retrátil vai deixar o seu corpo livre para se movimentar e dar mais agilidade ao pedal.

Encare os estradões e subidas sem precisar descer da bike para ajustar a altura do canote. Sem ter a necessidade de ter descer da bike, seu desempenho será muito superior.

Photo: bikethomson

O uso desse tipo de canote também traz benefícios para as road bikes e gravel bikes.

Fazer curvas na estrada a mais de 40km com o canote baixo, faz com que o ciclista também fique mais abaixado melhorando a aerodinâmica, trazendo mais estabilidade e velocidade nesses trechos que exigem muita movimentação do corpo.

Nas gravel bikes e no ciclocross, a possibilidade de ajustar a altura do canote facilitará a transposição de obstáculos como descidas com pedras, terra e raízes.

Se você está pensando em fazer a troca do seu canote atual por um retrátil, converse com ciclistas que já utilizam o sistema para saber como foi a experiência de troca e utilização, assim você mais segurança antes de fazer o upgrade.
Se for possível, faça um teste em uma bike que já possua canote retrátil para você perceber na prática as vantagens de usá-lo.

Matéria base originalmente publicada em Revista Bicicleta

Dicas para montar uma bike personalizada

Muitos ciclistas sonham em montar a bike do seu jeito, escolhendo cada peça e prestando atenção em cada detalhe para a companheira de pedal seja única.
Mas existem muitas dúvidas que surgem antes de começar um projeto desse tipo, seja para os ciclistas iniciantes, experientes ou para os usuários que desejam experimentar um estilo de vida mais saudável.



Vamos ver algumas dicas para te ajudar nessa jornada.

– Descubra quais são os seus objetivos

A montagem da bicicleta precisa ter um propósito bem definido. Será uma bike para encarar as trilhas? Uma para uso urbano? Para competição?
 Sabendo qual será a finalidade da bike ficará mais fácil pesquisar os componentes e peças específicos para esse determinado uso, modelos e características de cada modelo da bike.
Pesquise os modelos, pergunte aos usuários, leia artigos e veja vídeos de especialistas. Se possível experimente os modelos existentes para saber se ele atende à sua necessidade.

– Planejamento

Sabendo qual será a finalidade da bike e tendo pesquisado as características, podemos começar a planejar a montagem dela. Nesse momento você terá a opção de realizar a montagem você mesmo ou procurar uma oficina de personalização.
Praticamente todas as oficinas podem lhe auxiliar pelo menos na montagem do projeto.
Optando por montar você mesmo, poderá pesquisar as peças e componentes, escolhendo as que possuem melhor custo-benefício, além de poder aprender como instalar as peças e resolver os problemas que surgirem.

– Adquirindo os componentes

As peças e componentes para bicicletas possuem muitas características, materiais e preços diferentes, pois as peças são diferentes para cada tipo de modalidade. Ao montarmos uma bicicleta do zero, temos a possibilidade de comprar as peças aos poucos, de acordo com o nosso orçamento.

– Monte uma mini oficina

Para realizar a montagem da bicicleta será necessário algumas ferramentas que lhe auxiliem na tarefa.
Manter uma mini oficina com as ferramentas necessárias também será aproveitado para realizar a manutenção periódica da sua bicicleta.

– Aproveite a experiência

A parte da montagem será um momento desafiador mas também pode ser muito prazeroso. Caso tenha alguma dúvida, existe muito conteúdo sobre a montagem de bicicletas na internet, com inúmeros tutoriais em vídeo com o passo a passo da montagem de cada componente. Aproveite essa experiência única e prazerosa.

Matéria base originalmente publicada em Julio Andó

Cicloviagem? Saiba o que levar

Para fazer uma cicloviagem, por mais curta que seja, é necessário se preparar e planejar muito bem cada trecho que irá percorrer e pensar nas paradas ao longo do trajeto. Também é necessário ter um condicionamento e preparo para poder encarar uma viagem com itens que fazem a bike pesar até 4 vezes mais.

E com tanto peso a ser levado, é importante pensar em cada item para que a sua cicloviagem seja prazerosa e segura.



Vamos ver alguns itens essenciais que você deve levar:

Ferramentas

Imprevistos irão acontecer e precisamos estar preparados. Levar um conjunto de ferramentas vai te ajudar a resolver problemas com a corrente, roda, pneu e outras partes.

Algumas ferramentas que devemos levar:

chave multiferramentas
chave de corrente
chave de raio
kit remendo
kit de espátulas para remover os pneus

Suprimentos

Esses itens vão garantir o apoio necessário para a sua cicloviagem dar certo. Seja para acampar numa trilha ou para preparar a refeição no meio do mato.

– barraca (item importante caso planeje ir para lugares onde não será possível conseguir alguma hospedagem)
– fogareiro
– panela
– talheres portáteis
– lampião ou lanternas
– garrafa térmica
– álcool em gel (para acender o fogo e realizar a limpeza das mãos)
– panos para limpeza
– sacolas plásticas (para armazenar lixo, roupas sujas)

Vestuário

Como serão vários dias de viagem também será necessário várias trocas de roupas para usar ao longo dos dias.
Leve uma quantidade compatível com os dias da sua viagem.

– camisas de ciclismo
– bermudas de ciclismo
– camisetas e bermudas comuns
– blusa
luvas de ciclismo
– óculos
capacete
– sapatilha
– tênis
– chinelos
– meias
– colete sinalizador
– boné e bandana
– capa de chuva

Higiene Pessoal

Sempre faça a organização desses itens com antecedência pois são muito fáceis de esquecer de levar.

– sabonete
– escova e pasta de dente
– fio dental
– papel higiênico
– lenços umedecidos
– toalhas de banho e rosto
– protetor solar
– pomadas antiassaduras
– repelente

Itens extras para a bicicleta

Alguns itens e peças da bike precisam de atenção pois podem precisar de substituição para que você possa prosseguir com a sua cicloviagem.

pneu reserva (de kevlar pois são mais leves e dobráveis)
câmaras reserva
bomba de ar portátil
– raio reserva
corrente
pastilhas de freio
lubrificante
cadeados
– silver tape para emergências

Não esqueça de definir bem a rota da sua cicloviagem, levando em conta o tempo que pretende pedalar diariamente e verificar lugares em que poderá fazer as paradas de descanso.
Levar consigo seus documentos de identificação é muito importante e caso planeje viajar para outros países, não esqueça o seu passaporte!

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Blog dedicado para os amantes de bike que levam diariamente uma #vidacombike