Arquivo da categoria: CicloCross

Bagageiro para bike

Quem está pensando em começar a fazer viagens de cicloturismo, ou mesmo pedais mais longos, deve considerar usar bagageiros na bicicleta.
Conhecer novos lugares, pessoas e culturas é uma das melhores sensações que podemos ter enquanto pedalamos, mas para isso é necessário preparar adequadamente a nossa companheira de pedal.
Os bagageiros, ou alforjes,  são excelentes quando precisamos levar muitos acessórios e são feitos para aguentarem um peso maior do que suportaríamos nas costas com uma mochila.
Vamos ver alguns usos dos bagageiros com a bike:

– Cicloviagens

Nesse tipo de uso, você irá utilizar tudo o que os alforjes e bagageiros podem oferecer, pois normalmente transportamos cargas pesadas para encarar muitos dias de viagem.
Dependendo da quantidade de bagagem e acessórios que irá levar, opte por bagageiros

– Uso Urbano

Quem já usa a bike como meio de transporte principal para ir ao trabalho, sabe a importância e de levarmos roupas e equipamentos da bicicleta. Os alforjes são uma melhor escolha para armazenar os itens que não caberiam nas bolsas de quadro, guidão e selim.

– Em passeios

Mesmo para passeios curtos, os bagageiros também são muitos úteis, pois com eles podemos transportar itens que adquirirmos durante o percurso, como por exemplo, as compras de uma ida ao mercado ou padaria.
Para s ciclistas com filhos pequenos, existem cadeirinhas que são específicas para se acoplar nos bagageiros da bike.

Confira 10 equipamentos essências para o seu próximo cicloturismo

Modelos de Bagageiros de bicicleta

Dianteiro

Os modelos dianteiros são fixados pela blocagem ou mesmo por hastes na suspensão ou no garfo.
Os bagageiros dianteiros possuem a capacidade de carga um pouco superior de uma bolsa, mas também existem alforjes específicos para serem usados na lateral do garfo.
A maioria desses modelos tem um limite de carga em torno de 15kg no máximo para não prejudicar a pilotagem.

Traseiros

Os modelos traseiros são os mais variados e comuns, podendo ser removíveis ou não, e são subdivididos em: para quadros e para canote.
– Quadros: Esses modelos são bem reforçados para suportarem até 25kg, necessitando que o quadro tenha furação para que sejam fixados. Também existem modelos próprios para quadros com freios v-brake ou disco e específicos para o tipo de aro da bicicleta.
– Canote: É fixado diretamente no canote e possuem baixa capacidade de carga, sendo muito utilizado em pedais urbanos e de passeio.

Lembre-se sempre de saber todas as especificações da sua bicicleta para poder adquirir um bagageiro adequado que se encaixe na bike e nas suas necessidades de uso.

Características de uma bicicleta de Ciclocross

O Ciclocross (CCX ou CX) surgiu como uma forma de treinamento dos ciclistas de estrada europeus durante o inverno. Devido ao frio intenso do hemisfério norte, era impossível pedalar por longas distâncias, então eles colocaram as speed literalmente na terra.
Nessa modalidade é bastante comum os atletas desmontarem da bicicleta e a carregarem no ombro para superar obstáculos e subidas íngremes.

As bicicletas de CX são bastante parecidas com as bicicletas de estrada, inclusive com os tradicionais guidões curvos, mas se olharmos mais de perto veremos que existem importantes diferenças para que essa modalidade tenha uma bicicleta especial.

Ciclocross: Uma modalidade diferente de tudo o que você já viu!

Mas quais são as características de uma bike CX?

– Geometria

Começando pela geometria que são menos agressivas que a das bicicletas de estrada. A caixa do movimento central de uma bicicleta CX é mais elevada do solo para facilitar a ultrapassagem dos obstáculos. Recentemente essa tendência está mudando para quadros com caixa de centro mais baixa, pois assim o ciclista em mais equilíbrio e maior facilidade nas manobras de montar e desmontar da biciclieta.

Pneus

Enquanto as bicicletas de estrada utilizam pneus mais estreitos (23c ou 25c), nas Ciclocross são mais largos e com cravos (quase nunca com largura inferior a 30mm).
A pressão utilizada também é mais baixa para dar mais aderência à bicicleta.

Garfos

Nas bicicletas de estradas, para ser mais aerodinâmico, o pneu passa praticamente “raspando” no quadro e no garfo. Já nas bicicletas de Ciclocross, os garfos são mais largos para evitar que lama e outros detritos fiquem acumulados.

Freios Cantilever

Esse tipo de freio é uma característica das bicicletas dessa modalidade pois são bem abertos e evitam o mau funcionamento devido a lama e barro dos trajetos.
Freios a disco já começam a serem utilizados com maior frequência por ter um excelente funcionamento com a bicicleta molhada e cheia de lama e barro.

– Guidão

Os tradicionais guidões curvos das speed estão presentes nas bicicletas de Ciclocross. Normalmente é posicionado mais pra cima e mais largo que o normal para facilitar a pilotagem com estabilidade. Alguns modelos possuem um manete auxiliar de freio, que fica na parte alta e horizontal do guidão e facilita na hora das frenagens.

– Outras características

O pedivela tem uma relação mais curta (46×36 dentes) sendo bem mais leves que as das bicicletas de estrada e alguns modelos possuem um sistema de uma única coroa.

Os pedais são os utilizados nas mountain bikes pois acumulam pouco barro e lama.

Os selins são especialmente desenvolvidos para terem uma ponta anatômica geralmente para que se encaixe no ombro do ciclista, isso mesmo, no ombro pois ter que carregar a bike durante as provas é muito comum e rotineiro.

Os cabos de freio e câmbio passam pelo tubo horizontal do quadro para não atrapalhar na hora de carregar a bicicleta e também para ficarem longe da lama e água dos percursos.

Curiosidades:

– A troca de bicicleta durante a prova é permitida, pois algumas etapas das competições oficiais possuem tanta lama que o atleta corre com uma bike durante uma volta enquanto a sua equipe limpa a outra bike.
– Pedais e sapatilhas utilizadas são as de MTB, pois elas facilitam que o atleta corra.
– O câmbio dianteiro tem uma guia especial para evitar que a corrente caia fora da coroa.
– Os atletas utilizam os skinsuits (os famosos macaquinho de provas contra-relógio) ao invés do tradicional conjunto de camisa e bretelle. Os skinsuits são mais difíceis de enroscar em galhos e outros obstáculos dos percursos.

Detalhes que fazem a diferença no ciclocross

Conhecido pela sigla CX, o ciclocross tem grande popularidade, principalmente no hemisfério norte, onde se pode competir nessa modalidade durante o rigoroso inverno.
Mas como funciona as provas e quais as diferenças para as provas de outras modalidades?

Vamos falar pouco mais sobre os detalhes que fazem toda a diferença para você chegar em primeiro lugar.

Quer saber mais sobre o ciclocross? Confira aqui

1. Diferenças entre bikes de estrada e CX

Photo by Angel Santos on Unsplash

O ciclocross é uma modalidade predominantemente off-road, mas praticada com bikes que se parecem muito com as de estrada.
Mas existem importantes diferenças entre as bicicletas de ciclocross e gravel das suas irmãs estradeiras e mountain bikes.

As CX combinam elementos das bicicletas de estrada, como guidão curvado e pneus estreitos, e características das MTB, como a geometria do quadro, pneus com cravos e sistema de suspensão dianteira.

Notamos claramente a diferença de uma CX para uma Speed quando verificamos o espaçamento do quadro para passagem dos pneus, feitos justamente para que as bikes de ciclocross encarem qualquer condições de lama e areia, sem travar a rolagem das rodas.

Com um quadro um pouco mais alto do solo para facilitar as passagens por obstáculos, as CX podem utilizar pneus mais largos de até 33c.

2. Variedade de terreno em um circuito fechado

©Kristof-Ramon – RED BULL Content Pool

Disputados em circuitos curtos entre 2,5 a 3,5 quilômetros, que são feitos para ter o maior número de terrenos diferentes, seja grama, areia, lama,ou neve, além de ter trechos técnicos que fazem muitas vezes com que o ciclista tenha que sair da bicicleta para transpor obstáculos.

As provas são competidas por  tempo, onde os atletas devem cumprir um determinado período de tempo, mais uma volta final. A maioria das corridas da elite tem uma hora de duração, enquanto os amadores podem competir por 30 a 60 minutos.

3. Carregue a sua bike nas costas

Photo by Angel Santos on Unsplash

Se vai encarar uma prova de CX, esteja preparado para carregar a sua bike nas costas.

Raízes, pedras, areia e obstáculos artificiais são apenas algumas das coisas que o ciclista precisa encarrar numa corrida de ciclocross. Os obstáculos artificiais mais comuns são as barreiras de 45cm de altura em sequência, que desafiam os pilotos a saltar ou mesmo ter que sair da bicicleta para superar o desafio.

4. A largada é importante

©Charlie Crowhurst – RED BULL Content Pool

Assim como as provas de MTB Cross Country e as de estrada, a linha de largada é composta por competidores que estão dispostos a dar tudo de si na largada.

Devido ao percurso ser curto e estreito, todos os atletas buscam as melhores posições logo no início, o que pode provocar choques e tombos.

5. Individualismo

As corridas de ciclocross tendem a ser mais individuais, pois são mais lentas e o que conta mesmo é potência, habilidade, técnica e resistência do piloto. A equipe do atleta garante o suporte de hidratação nas áreas de apoio do percurso.

Isso não é o que vemos nas corridas de estrada, onde os vencedores dependem de sua equipe e companheiros, desde para fornecer água e comida, mas principalmente ajuda-los a ditar o ritmo nas subidas.

Matéria originalmente publicada em Red Bull

Quer deixar a sua bike em dia para o ciclocross?
Você encontra tudo aqui na Azupa!

Ciclocross: Uma modalidade diferente de tudo o que você já viu!

Lama, obstáculos e bike nas costas, assim é o ciclocross

Photo by Angel Santos on Unsplash

Se você ainda não conhece o ciclocross, esqueça toda a imagem que você tem sobre as competições de ciclismo. Uma mistura de vários tipos de competições, recheada com muita lama e obstáculos desafiadores, esse é o ciclocross.

Essa modalidade faz parte do calendário internacional da União Ciclística Internacional (UCI) e tem a sua própria Copa do Mundo, realizada de setembro a fevereiro (período de inverno no hemisfério norte).
O ponto alto do calendário é a prova do Campeonato Mundial, que começou a ser disputado em 1950 e esse ano será disputado nos dias 1º e 2 de fevereiro, em Dübendorf, na Suíça.

Podemos falar que é uma espécie de curso prático de ciclismo, pois exige forte habilidade na condução, além de uma ótima forma física, porque em diversos trechos, os atletas precisam carregar as bikes nas costas.

As provas normalmente possuem de 2,5 km a 3,5 km de extensão e são realizadas em circuitos técnicos e montanhosos, onde o terreno possui trechos de areia, galhos de árvores e lama, sem contar os obstáculos artificiais, como barreiras e escadarias.

Photo by Angel Santos on Unsplash

O ciclocross nasceu de corridas entre amigos, onde o objetivo era chegar primeiro sem usar as estradas normais de uma cidade a outra, fazendo com que os corredores buscassem atravessar plantações e pular cercas de fazendas.

Como era um esporte que poderia ser disputado mesmo no rigoroso inverno, período de recesso das competições de estrada, passou a ser visto como uma nova modalidade.
O primeiro campeonato nacional na França foi realizado em 1902, com ajuda de Géo Lefèvre, um dos criadores da tradicional Volta da França de ciclismo.

Photo by Angel Santos on Unsplash

Mais de 100 anos depois, uma corrida amistosa entre amigos, virou uma modalidade com participação dos mais importantes ciclistas do mundo envolvidos.
Já pensou em dar uma chance ao ciclocross?

Matéria originalmente publicada em Red Bull

Quer deixar a sua bike em dia para o ciclocross?
Você encontra tudo aqui na Azupa!