Arquivo da categoria: Curiosidades

Talco nos pneus e câmaras?

post_talco_2

Ao comprar um pneu novo para a sua bicicleta, é muito comum ele chegar com uma “camada” branca ou até mesmo amarelada por sobre a borracha.

Os fabricantes passam um TALCO INDUSTRIAL para conservar os pneus. Eles são armazenados em um local escuro, junto com este talco, para ajudar o pneu a ficar livre de umidade e durar mais, evitando assim o ressecamento da borracha e rachaduras por não estarem sendo utilizados.

Se um pneu chegar até a sua casa com uma coloração, não se assuste: é sinal de que ele é realmente NOVO! É apenas a camada de talco que vai ganhando cor com o passar do tempo – basta instalar seu pneu e nas primeiras pedaladas esta camada de talco já sai.

post_talco_1

Já sabemos que os pneus recebem esse talco para conservação da borracha antes do uso regular, mas e as câmaras?

Existem câmaras que já vem de fábrica com talco aplicado nelas.

post_talco_3

Quando temos o contato borracha X borracha entre a câmara e o pneu, é preciso ter menos fricção e mais movimento durante o processo de enchimento da câmara, evitando “beliscões” que possam resultar em furos.
As câmaras com talco tem uma performance melhor que as sem talco específico.

A minha câmara não veio com talco de fábrica, tenho que trocá-la?

Não é necessário realizar a troca, apenas considere aplicar um pouco de talco no interior dos pneus durante a montagem. Esse procedimento irá evitar atrito entre a câmara de ar e a parede interna do pneu permitindo que a câmara se movimente mais livremente no processo de enchimento.

Jogar talco na sua câmara de ar antes da instalação no pneu faz com que a superfície da borracha fique escorregadia. Isso evita que o pneu e a câmara fiquem presos um ao outro, reduzindo o atrito e evitando a chamada “mordida de cobra”, que é quando o pneu belisca a câmara ao passar em um buraco, por exemplo, furando-a.

Gostou das Dicas?
Tem alguma outra para nos dar? Comente!

Temos mais de 200 modelos de pneus novinhos esperando por você! Confira aqui!

Dicas de presentes para ciclistas abaixo de R$100

Final de ano chegando e sempre é bom ganhar e dar presentes não é mesmo?

Seja no Natal, no amigo secreto, no aniversário, quem tem um amigo(a) ciclista sempre fica na dúvida do que dar de presente.
Pensando nisso, separamos dicas de presentes com itens abaixo de R$100,00 que o seu amigo(a) com certeza irá adorar.

Fita de Guidão

Para amigos que curtem o Road, ciclismo de estrada, um presente importante e útil são as fitas de guidão.
Elas são enroladas nas extremidades do guidão da bike de estrada para dar mais conforto ao ciclista, e melhor aderência às mãos.
post_dicas_presentes_4

Facilmente você encontra esses itens a partir de R$25, com variadas opções de cores. Elas darão um visual muito mais bonito à sua bike ou a do seu amigo.

Temos muitos modelos aqui na Azupa!

Caramanholas

As caramanholas, ou garrafinhas de água, ou squeeze, são itens que todo ciclista vai ter na bike. É um presente que vai agradar praticamente todos os ciclistas.
post_dicas_presentes_1

Elas podem ser mais simples, apenas para transportar o líquido, ou mais sofisticadas que são as isotérmicas, que mantem o líquido na temperatura que você colocou por muito mais tempo.
As mais simples você encontrará a partir de R$10/R$15 e as isotérmicas a partir de R$40.

Confira nossos modelos aqui!

Lubrificantes

Todo ciclista usa e sempre precisa ter disponível são os lubrificantes.
post_dicas_presentes_2
O bom uso desses produtos deixarão as peças da bike (por exemplo, a corrente) com muito mais performance e durabilidade.
Alguns lubrificantes são para uso em determinadas condições de terreno/ambiente que o ciclista encontra na pedalada. Pode-se usar um lubrificante específico para trilhas molhadas, lama ou em estradas com poeira ou areia.

Existem diversas marcas diferentes de lubrificantes e com preços a partir de R$20/R$25.

Na Azupa também temos! Confira aqui.

Bombas de Ar

Itens indispensáveis para qualquer ciclista, as bombas de ar.
Existem os modelos maiores, conhecidos como bombas de ar de pé, porém o legal para presentear um ciclista são os modelos menores, conhecidos como bombas de ar de mão.

post_dicas_presentes_3

Ideais para estarem com o ciclista em caso de necessidades, como troca da câmara em treinos e trilhas.
Os modelos compactos são encontrados a partir de R$30 e os mais sofisticados com manômetro pra medir a pressão, a partir de R$80/R$90.

Na Azupa você encontra tanto os modelos de pé quanto os de mão! Confira!

Ferramentas multiuso

Também conhecidos como canivetes multifunção, essas ferramentas são de extrema importância para o dia a dia do ciclista.
post_dicas_presentes_5

São várias chaves e ferramentas agrupadas de forma portátil que auxiliarão o ciclista em um momento de necessidade e quebra no meio do pedal.
Todo ciclista precisa ter uma dessas por perto em toda pedalada.

Esses canivetes são encontrados com a valores a partir de R$50.

Conheça os modelos da Azupa!

Gostou das dicas?
Temos tudo pra sua #VidaComBike aqui na Azupa!

Os benefícios do uso do rolo de treino

O rolo de treino não deve substituir os treinos ao livre, porém nem sempre é possível sair de casa para poder fazer o seu treino.

Além das condições climáticas adversas ou tempo curto, a falta de infraestrutura nas cidades que permitam andar com segurança, são fatores que podem fazer que com que o treino indoor seja uma boa opção.

Nesses casos o rolo de treino irão facilitar sua vida!

post_rolo_treino.jpg

Antes de começar a utilizar os rolos, existem alguns fatores que devem ser respeitados devido aos efeitos fisiológicos que ocorrem no corpo do atleta. O principal é a hipertermia, conhecida como super aquecimento, que pode trazer graves consequências ao organismo, como desidratação e até mesmo convulsões.

Nesse tipo de treino a troca de calor fica prejudicada, por isso é importante que os treinos sejam realizados em locais arejados e que durante toda a sessão seja utilizado um ventilador direcionado para o corpo do atleta.

O rolo é um excelente equipamento, principalmente para os atletas iniciantes, pois possibilita que as primeiras instruções sejam passadas de forma didática e sem preocupações com risco de queda ou acidente.

Para atletas experientes, o rolo possibilita treinos com intensidade elevada e maior nível de concentração. Para os iniciantes, é uma excelente possibilidade de aprender a forma correta de utilizar os trocadores de marcha e transmissões nas mais variadas combinações.

Uma das vantagens dos rolos de treinos é que eles podem ser utilizados com diversos propósitos, sempre de acordo com o seu plano de treino. A sua forma de utilização varia de acordo com os tipos de rolos de treinamentos existentes, que podem ser fixos ou livres –  também conhecidos como triplos.

Os treinos com rolos fixos são mais estáveis, sendo possível pedalar em pé e variar a intensidade. Já nos livres, o equilíbrio é trabalhado e acaba tornando a atividade menos monótona, apesar de impossibilitar que você pedale levantado.

post_rolo_treino_2

Um treino dentro de casa pode compor o seu planejamento junto aos treinos ao ar livre, mas é importante saber que a intensidade dos treinos é diferente e que, por isso, um treino de rua deve ser adaptado para ser realizado dentro de casa.

Adeque seu treino para o rolo!

Um treino outdoor equivale à metade dos treinos indoor. Então, se você realizaria duas horas de pedaladas na rua, faça uma hora no rolo. Dessa maneira você economiza tempo do próprio tempo, que pode ser menor com o rolo e você terá a mesma intensidade no exercício.

Essas são algumas dicas para você utilizar o rolo de treino nos próximos exercícios.

E lembre-se, tudo pra sua #VidaComBike você encontra aqui na Azupa!

Qual a inclinação certa do selim?

Além da altura e da escolha do modelo certo, o selim também deve estar exatamente na horizontal em relação ao solo.

post_alinhamento_selim

Qualquer inclinação e seu corpo ficará tentando compensar a tendência a escorregar sem que você perceba, o que poderá lhe causar dores e comprometer sua estabilidade na bike em situações como subidas ou frenagens fortes.

Temos o selim certo pra você aqui na Azupa! Aproveite aqui!

Sinalização do ciclista

Os sinais acima são universais, e servem para indicar as ações mais básicas do ciclista no trânsito. São apenas quatro sinais, e dois deles indicam a mesma coisa, mas essa sinalização ainda é pouco conhecida por todos.
Por mais que alguns sinais sejam explícitos, é importante considerar que nem sempre são compreendidos.

post_sinais_transito

A regra geral é usar o bom senso para sinalizar suas intenções no trânsito da forma mais clara possível. Como essa é uma linguagem da rua, seu uso vai sempre variar e o melhor jeito de aprender é na prática.
Observe ciclistas mais experientes, use os sinais, perceba quais estão sendo compreendidos e quais as melhores situações para usá-los.

Dica: nos cruzamentos, sinalize até mesmo quando você for continuar em frente.

 

Que tal dar aquele upgrade na sua companheira de pedal?

Temos tudo o que você precisa pra sua #VidaComBike! Confira!

 

 

Sem desculpas – Use a bike para alongar

Exercícios básicos para tornar a pedalada ainda mais confortável.

O alongamento é extremamente importante antes e depois de qualquer atividade física. Você sabe quais são os exercícios para quem pedala?

Separamos 5 exercícios de alongamentos básicos para ciclistas. Utilize a própria bicicleta como apoio.

post_alongamento

 

1. Quadríceps: dobre a perna para trás, tentando encostar o calcanhar na nádega.
Repetições: 2 ou 3 de 20 segundos em cada perna.

2. Femorais: apoie o calcanhar sobre o selim, segure a ponta do pé com a mão do mesmo lado e o guidão com a mão oposta. Dobre as costas em direção à perna que está levantada, quanto mais você se abaixa, mais sente o alongamento.
Repetições: 2 ou 3 de 20 segundos em cada perna.

3. Panturrilhas: suba na bicicleta e mantenha um pé apoiado no pedal, colocando o pedivela para baixo e fazendo pressão com o calcanhar em direção chão. O alongamento será mais eficaz quanto mais você baixar o calcanhar e jogar o corpo para frente.
Repetições: 2 ou 3 de 20 segundos em cada perna.

4. Psoas-Ilíaco: dê um grande passo para frente e se agache dobrando apenas uma das pernas no sentido perpendicular ao chão. Apoie-se na bicicleta e mantenha as costas erguidas. Repetições: 2 ou 3 de 20 segundos em cada perna.

5. Costas: segure a bicicleta pelo guidão e o selim e dobre o tronco em direção a ela, mantendo as pernas esticadas. A tendência é que você sinta mais alívio nas costas conforme for abaixado. Repetições: 2 ou 3 de 20 segundos.

Posição certa do pé no pedal

Pode parecer apenas um detalhe, mas o pedal é parte muito importante, especialmente para os mais aventureiros!

Por isso, além da altura certa do selim e cuidado com os joelhos, a posição o pé no pedal também é essencial para que o movimento da pedalada seja completo, sem impactos e com a força na região certa.

post_posicao_pe

 

Usar calçado específico, de sola rígida, o ajudará a transmitir melhor as forças. Colocar corretamente os taquinhos e encaixá-los no pedal leva a uma melhora substancial da técnica. Para tanto, é importante que o centro do taquinho esteja alinhado e centralizado com o osso da “bola do pé”. Mas atenção, quem tem joelhos valgos, as chamadas pernas para dentro, ou em X, ou varos (pernas arqueadas), pode ter de fazer alguma correção na sapatilha a fim de equilibrar o pé, assegurando que ele fique bem disposto sobre o pedal.

Pedale com o pedal certo para você. Nós temos o modelo ideal!
Confira aqui!

 

Posição ideal dos dedos no manete do freio

Frear corretamente e sem desgastar os componentes das bicicleta envolve muitas variáveis! Dentre elas estão o tipo de freio, a condição e o tipo do terreno e o tipo de bicicleta que estamos conduzindo.

Para obter uma boa frenagem, é necessário estar com os pneus em dia, bons freios, boas rodas e, principalmente, manter o conjunto sempre limpo e bem regulado.

O posicionamento errado do conjunto de freios compromete a eficiência de todo o processo, qualquer que seja a qualidade das peças. 

O ideal é sempre frear nas retas, para obter a maior tração possível do conjunto.
Dica: manter os dedos nas pontas do manete ao invés de deixar no meio, assim temos mais força de alavanca e, portanto, menos desgaste físico.

Se tratando do terreno, o ideal é frear em terreno mais seco e firme. Em dias de chuva, devemos diminuir a velocidade e sempre procurar antecipar as reações dos outros veículos. Na terra, escolha a parte mais seca do solo, com menos vegetação e umidade.

post_manetes_freios

Está tudo em dia com a sua magrela? Nós temos tudo o que vc precisa pra sua #VidaComBike aqui!

Como se proteger para pedalar no Frio

O verão acabou e, com a chegada do outono, as temperaturas no Brasil já começam a cair. Embora o inverno na maior parte do país não seja muito rigoroso, o frio chega trazendo a necessidade de adaptar seus métodos e roupas para manter o seu passeio, treino ou deslocamento confortável. A seguir, listamos algumas dicas para manter você pedalando tranquilo mesmo quando a temperatura estiver baixa.

post_pedalar_frio

Camadas controlam a temperatura

Mais do que manter-se quente, usar varias camadas de roupa vai ajudar você a controlar a temperatura. Afinal, com alguns treinos durando várias horas, é importante ter recursos para resfriar ou aquecer o corpo quando for preciso.

Quando o tempo esfria muito, o ideal é utiliza ao menos três camadas de roupa: a base, a intermediária e a cobertura. Normalmente, a base é feita com tecido respirável e é bem justa no corpo. Já a camada intermediária é uma camiseta normal de bicicleta, dessas com bolso traseiro e zíper. Já a cobertura costuma ser uma jaqueta ou colete corta-vento.

Utilizar esta configuração traz inúmeras vantagens, já que o ar aprisionado entre elas funciona como isolante térmico ao mesmo tempo que a presença de zíperes no corta-vento e na camisa de bicicleta proporcionam um ajuste mais fino da temperatura.

Base

Invista em uma camada de base que será vestida por baixo de todas as roupas. Para isso, existem base layers (roupa justa tipo segunda-pele) específicos para ciclismo de altíssima qualidade, feitas com tecidos que mantém o calor e expulsam a umidade. Porém, se a grana estiver curta, uma segunda pele feita de nylon resolve muito bem o problema. Lembre-se que, em ambos os casos, existem várias opções de espessura do tecido e presença ou não de manga. Escolha a que mais se adequa ao seu pedal. Uma dica importante é evitar tecidos que fiquem ensopados ou que retenham o suor, já que ficar em contato com umidade fatalmente vai resfriar seu corpo.

Corta-vento

Bicicletas movimentam-se em velocidade elevada. Por isso, mesmo que você use muitas roupas, existe a grande possibilidade de você perder calor para o ambiente se não estiver utilizando uma jaqueta ou um colete corta-vento.

Além de serem leves e compactas, podendo ser colocadas no bolso de uma camiseta de ciclismo facilmente em caso de aumento de temperatura, o corta-vento faz um excelente trabalho de proteger seu corpo contra o frio. Neste caso, vale a pena investir em um modelo específico para bikes, já que ele terá a extensão correta nas costas e ainda contará com a ventilação adequada para evitar que você fique molhado de suor.

A cabeça

A cabeça é uma das partes do corpo que mais perde calor para o ambiente. Por isso, mante-la aquecida é uma boa forma de evitar o frio. Neste caso, dependendo da temperatura e do seu corpo, você pode tentar um boné de ciclismo, um gorro ou até uma mesmo balaclava.

Lembre-se de sempre optar pelo modelo mais compacto, já que é comum a temperatura subir durante o pedal, criando a necessidade de retirar camadas e carrega-las com você. Algumas pessoas ainda utilizam máscaras no rosto que ajudam a manter quente e úmido o ar que é respirado – algo extremamente útil para quem sofre de sinusite. Para alguns, proteger o pescoço é bastante importante. Bandanas possuem múltiplas funções, são quentes, fáceis de lavar e de transportar – certamente um bom investimento.

Pernitos, manguitos, botinhas e luvas

Luvas de dedo comprido, capas térmicas de sapatilha, manguitos e pernitos são excelentes para os mais friorentos, porém podem ser de mais para aqueles que não sofrem tanto com a baixa temperatura. Por isso, antes de investir em modelos importados mais caros que contam até com proteção para raios UV, convém comprar um modelo mais barato para testar.

No caso das luvas, aposte nos modelos específicos para bicicletas, já que eles possuem a curvatura e o acolchoamento ideal para o pedal. Se você sente dores nos joelhos durante a pedalada, preste atenção para ver se elas não pioram no frio. Se este for o caso, vale a pena vestir um pernito mesmo que você sinta um pouco de calor a mais, já que preservar suas articulações é extremamente importante.

Organização da bike

No inverno, é possível fazer algumas modificações na bike para enfrentar melhor a condição climática. Uma das dicas mais úteis é liberar espaço no bolso da camisa de ciclismo investindo em uma boa bolsa de selim ou em um porta-ferramentas que se encaixa no suporte de garrafinha. A baixa temperatura exige menos água e, em grande parte do tempo, é possível pedalar com uma garrafinha só.

Com esta medida simples, é possível abrir espaço para transportar as roupas que você pode usar ou as que você tirou durante o pedal.

Temos os itens necessários para o seu pedal!
Capacete pra bike, você pode encontrar aqui!