Arquivo da categoria: dicas

A importância do Bike Fit

Deixar a bicicleta ajustada para cada ciclista é essencial para ter um melhor desempenho, seja para ciclistas profissionais ou amadores.

Uma bicicleta bem ajustada é fundamental não só para atletas, mas para qualquer pessoa que goste de pedalar. Esse o conceito do Bike Fit.

Além de conseguir ter maior potência com mais eficiência, o Bike Fit vai trazer algo fundamental para os iniciantes: o conforto!
Se logo no início das atividades você sentir desconforto ao pedalar, o mais recomendado é fazer um Bike Fit para ajustar a bicicleta ao seu corpo e consequentemente, prevenir lesões que resultam de uma postura inadequada.

O corpo vai dar sinais que a bike não está regulada quando começarem a aparecer dores na parte da frente do joelho (tendão patelar), dores na lombar, formigamento nas mãos, assadura, formigamento ou sensibilidade no períneo, dor no tornozelo e dor na cervical.

Vantagens de se fazer um Bike Fit

– Maior conforto ao pedalar;
– Prevenção de lesões que acontecem por esforço repetitivo;
– Reduzir ou eliminar dores nas costas, joelhos, pescoço, pulsos, pés, dormência nas mãos e nos dedos;
– Reduzir fadiga.

Além dessas vantagens, os ajustes do Bike Fit também irá melhorar a potência do pedal, porque permite que o ciclista use vários grupos musculares de maneira mais eficaz e eficiente.

Como é feito o Bike Fit?

O técnico responsável pelo Bike Fit irá coletar as suas informações, considerando sua experiência no ciclismo, metas pretendidas, lesões que já teve e outras informações importantes para a avaliação.

O ajuste realizado inclui:
– Ajuste dos grampos do pedal;
– Definição da altura e posição do selim;
– Avaliação dos sapatos e palmilhas;
– Determinação do comprimento correto da haste, altura e largura do guidão.

Todo o procedimento demora em torno de uma a duas horas e envolve o ciclista, a bicicleta e um técnico avaliando cada detalhe. É importante que leve todos os equipamentos usados durante o pedal e esteja preparado para pedalar por pelo menos 10min para que a avaliação seja feita corretamente.

Quando procurar um profissional para fazer o Bike Fit?

Realizar um Bike Fit após trocar de bike trará ao seu corpo inúmeros benefícios em termos de rendimento e conforto, tornando os treinamentos e passeios mais agradáveis.

Ciclistas muito baixos ou muito altos se beneficiam do ajuste do Bike Fit onde os problemas causados pela postura são solucionados.
Pessoas que possuem lesões antigas que deixaram sequelas ou problemas biomecânicos conhecidos, como pernas de comprimento diferente, esse procedimento é mandatório!

Andar de bicicleta deve ser uma atividade prazerosa e confortável e, se isso não estiver acontecendo, os ajustes devem ser feitos o quanto antes. Dor, dormência ou formigamento nas mãos, nos pés ou nas nádegas são sinais de que algo na sua bicicleta não está ajustada para você.

Seja honesto com as suas informações

Pense no Bike Fit como um “exame médico”, pois os profissionais que irão realizar o procedimento, para fazer um ajuste preciso, devem saber seu nível, suas pretensões com o pedal (profissional, esportista ou iniciante), lesões que tenha sofrido, entre outros assuntos relacionados. Não tente impressionar ninguém ao realizar o teste e pedale naturalmente como faz no dia a dia ou nos treinamentos.

Após os ajustes serem realizados, o seu corpo precisará de tempo para se adaptar às mudanças de posição, especialmente se os ajustes tiverem mudado muito a bicicleta.
Pegue mais leve nas primeiras semanas após o Bike Fit e diminua a intensidade dos treinamentos para o seu corpo se ajustar gradualmente.

Matéria base originalmente publicada em Entre Trilhas
Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Tipos de Guidão de Bicicleta

O guidão é um componente importante e possui muita influência na experiência que o ciclista terá com a bicicleta. Seus diversos modelos foram projetados para atender às necessidades do atleta, seja ele profissional ou amador.

Saber identificar o modelo correto, tamanho e material adequado vai melhorar a performance do ciclista, além de ajustar um posicionamento e postura ideal do seu corpo na bicicleta.

Cada modalidade vai exigir um tipo de guidão diferente e a escolha certa será decisiva para a melhoria do seu desempenho.

Principais tipos de Guidão

– Reto Flat

Por ter um formato simples (uma barra reta), oferece mais previsibilidade e precisão na direção, sendo uma boa escolha para quem procura agilidade em percursos mais estreitos e um preço mais em conta.

Já foi um dos mais utilizados no MTB, pois sua barra sem curvaturas era uma boa opção para subidas íngremes, além de ser estreito e leve para maiores velocidades. Atualmente, os atletas de MTB preferem modelos mais pesados que absorvam melhor o impacto das trilhas.

– Bullhorn Bars

Esse tipo de guidão possui um formato semelhante a um chifre de touro, permitindo que o ciclista permaneça em uma posição mais abaixada, facilitando a aerodinâmica do movimento. Ideal para quem deseja pedalar com mais intensidade e velocidade.

Muito utilizado nas bikes fixas, também é uma boa escolha para ciclistas que encaram muitas subidas pois possui leveza e aerodinâmica.

Não é indicado para ciclistas que usam a bicicleta como meio de transporte urbano pois o design desse guidão pode ocasionar esbarros inesperados em outros objetos e pessoas, além de possui uma certa instabilidade na direção para ciclistas inexperientes devido ao seu comprimento central menor.

– Riser Curvo

O Riser possui uma curvatura no centro, sendo atualmente o mais indicado para as modalidades extremas como o Downhill, pois possibilita que o atleta fique numa posição mais vertical e mais confortável durante as descidas em velocidade.

Esse tipo de guidão traz maior conforto aos punhos e maior controle da bicicleta, porém são maiores e mais pesados, podendo ser um incômodo nas subidas e trechos muito apertados.

– Drop Bars

Esse modelo de guidão é o mais popular no ciclismo de estrada. São muito versáteis pois oferecem diversas posições diferentes de pegada da mão, garantindo um maior conforto para os percursos mais longos.

O Drop Bars é perfeito para os atletas que desejam pedalar forte e com aerodinâmica. Por serem feitos para proporcionar velocidade, podem não ser uma boa posição para atletas amadores que preferem um exercício mais leve e tranquilo.

–  Cruiser Bars

Também conhecidos com guidão “caiçara”, os Cruiser Bars são aqueles que possuem formatos mais longos e altos, sendo perfeitos para locais planos, como no campo, na rua, na beira da praia, ou em ciclovias.
O formato desse modelo traz grande conforto e possibilita uma pedalada mais relaxada durante o trajeto.

Esses são alguns dos modelos existentes de guidões de bicicleta e vale lembrar que a escolha do guidão adequado para o tipo de pedal que você irá praticar é essencial para que tenha uma melhor performance, evolução e conforto ao pedalar.

Avalie o tipo de material, comprimento, peso, forma de instalação, possibilidades de empunhadura e possíveis acessórios que possam ser acoplados ao guidão. Cada um desses fatores irá influenciar de alguma maneira no seu desempenho e todos devem ser avaliados antes de adquiri o próximo guidão da sua bicicleta.

Matéria base originalmente publicada em Entre Trilhas
Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Dicas para melhorar a sua Performance na Bike

Se você pratica ciclismo regularmente sabe que a motivação para pedalar muitas vezes vem do desejo de aprimorar a técnica e obter melhores resultados. Mas com o passar do tempo e dos treinamentos realizados, melhorar a performance na bike passa a ser um desafio que exige muita paciência e persistência para conquistar o resultados cada vez melhores, seja nos treinamentos ou nas competições.

Para ter uma evolução constante, algumas dicas vão auxiliar no alcance dos resultados desejados para que você fique cada vez melhor na modalidade escolhida.

– ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA

O consumo de consumo de proteínas, verduras, legumes e carboidratos complexos ajudam o corpo na recomposição e fortalecimento dos músculos. Quando temos uma alimentação equilibrada conseguimos fazer a manutenção do peso, fator imprescindível para conseguir uma boa aerodinâmica na hora de ganhar velocidade nas provas.

Se for realizar provas curtas, o consumo de cafeína é válido pois ao consumir a substância uma hora antes da prova, o sistema nervoso central é ativado, oferecendo uma melhor performance nos exercícios aeróbicos e de força.

– REALIZE EXERCÍCIOS PLIOMÉTRICOS

As atividades pliométricas são aquelas de alta intensidade usando o próprio peso corporal ou feito com cargas leves. Esse tipo de atividade é muito importante para todo ciclista, pois dessa maneira aprendemos como economizar movimentos, o que é essencial na performance da aerodinâmica da bike, garantindo um desempenho mais ágil e rápido nos pedais.

Exercícios como agachamento com barras, salto sobre o caixote e salto no quadrado (saltando dentro e fora de um quadro desenhado no chão em todos os seus lados) são alguns dos mais indicados para os ciclistas que desejam aperfeiçoar suas técnicas de economia de movimento.

– CONHEÇA BEM A PROVA QUE IRÁ REALIZAR

Os melhores ciclistas não são apenas aqueles que estão bem preparados fisicamente, mas aqueles que procuram novas táticas e estratégias em seus treinos e provas. Vai fazer toda a diferença se conhecer bem o percurso, descobrindo e entendendo onde estão os pontos de aceleração, os locais que exigem maior esforço e onde podemos nos poupar.

Conhecer os outros atletas que irão competir com você é outra dica muito importante que pode te ajudar a conquistar melhores resultados. Saiba os pontos fortes e fracos de cada um deles e faça treinos tendo como base superá-los.

– APOSTE EM BONS EQUIPAMENTOS

Mesmo sendo um dica clichê, sabemos que cada equipamento e componente tem uma função imprescindível no sucesso de uma prova de ciclismo. Bicicletas mais leves, de carbono, peças de boa qualidade, vestuário confortável e especial para a prática de cada modalidade e adequados para a condição meteorológica do dia da prova podem fazer toda a diferença.

Para melhorar a sua performance no ciclismo é preciso prestar muita atenção em tudo o que envolve o esporte, desde as estratégias para alcançar os outros competidores até o empenho para aprender como economizar movimentos. Com muito treino e estudo, os resultados melhoram ao longo do tempo e a prática do ciclismo se torna ainda mais prazerosa.

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Diferença entre treinar e pedalar!

Desde a preparação para sair para o pedal, até à chagada em casa, existem muitas diferenças entre uma prática e outra, desde as mais sutis às muito nítidas. Mas o que realmente significa treinar e pedalar?

Para entendemos as diferenças de cada prática, podemos comparar o “treino” como ir trabalhar, enquanto que pedalar é como um hobby. No treino temos metas, prazos, pressões, frustações, e na pedalada, normalmente realizamos por diversão, passatempo, sento mais prazeroso e sem compromisso.

O que é Pedalar?

Podemos dizer que é uma atividade descompromissada, sem toda a pressão de atingir alto desempenho, sem ter que manter um ritmo definido, velocidade média etc. Pode ser feito na cidade, parque ou praia, com a família, amigos ou sozinho mesmo.

Quando saímos de bicicleta, seja para ir ao trabalhou ou para andar nas ciclovias e ciclofaixas aos finais de semana, estamos pedalando. Quando uma criança está se divertindo em cima de uma bicicleta, também está pedalando.

Esses são exemplos mais corriqueiros do uso da bicicleta como forma de lazer ou atividade que não tenha uma meta definida, que podemos considerar como “pedalar”.

O que é Treinar?

Quando estamos pedalando em busca de um objetivo de performance, ou objetivos muito específicos como para aumentar o giro, a capacidade respiratória, melhorar a resistência, entre outros, podemos falar que estamos treinando. O treino envolve metas a serem atingidas e por isso pode ser comparado a um trabalho.

O treino inclui desde a parte do planejamento, organização das séries de treinos, tempos, intervalos, alimentação, descanso e treinos regenerativos. Para cada objetivo existe um tipo de treino, devendo ter hora, prazo, tempo e forma correta que deve ser feita.

Ciclistas podem treinar especificamente para melhorar em subidas, outros realizam treinos de tiros etc.
Os treinos devem ser constantes pois as metas são sempre alcançadas sempre a médio e a longo prazo.

Mas onde essas duas atividades se unem?

A forma como você pedala é o que vai definir se você treina ou apenas está se divertindo. Realizar as duas práticas irá aumentar o desempenho físico, permitindo um equilíbrio entre cada exercício e tendo uma rotina mais diversificada, produtiva e prazerosa.

Ambas práticas se complementam e cada ciclista que consegue treinar e pedalar de forma organizada, obtém vantagens no desempenho e na própria saúde.

Se intercalar a semana com três a quatro dias de pedal, com treinos e pedais de descanso, uma atividade vai ajudar a outra, pois é essencial que após treinos exaustivos, tenha um descanso, sendo que pedalar é uma excelente maneira de fazer isso.

Os “ciclistas de final de semana” que almejam entrar em um grupo de pedal, devem começar a treinar pois só assim irão adquirir resistência e fôlego para acompanhar ritmos mais fortes que os grupos alcançam.
Já os ciclistas de performance devem reservar alguns dias para pedalar com os amigos por diversão, pois será de grande ajuda para relaxar.

Dessa maneira uma atividade quanto a outra se colaboram, mesmo sendo para diferentes fins!

Conhecer cada parte desse mundo esportivo ajudará suas pedaladas e treinos a ficarem melhores.

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada
Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Como a bike pode te ajudar em tempos de Pandemia

O momento atual trouxe uma séries de impactos na nossa vida e precisamos nos adaptar ao “novo normal”. Todos tivemos que mudar e usar máscara, passar álcool em gel nas mãos e manter o isolamento social são hábitos que tiveram que ser inseridos no nosso cotidiano.
O meio de se locomover também sofreu adaptações e a bicicleta se mostrou uma excelente solução para esses tempos.

A bicicleta sempre foi um meio de transporte. Esse foi o objetivo da sua criação, muito antes das competições existirem ou utilizarmos ela para lazer. No atual contexto de pandemia, a utilização da bicicleta traz muitas vantagens.

Vamos ver as vantagens de usar a bike na pandemia:

– Ela é usada apenas por você

Transporte público não é o ideal para se locomover numa pandemia onde o distanciamento social é importante.
São centenas de milhares de passageiros que usam esse sistema diariamente e o distanciamento é quase impossível de ser feito de forma efetiva.

A bike certamente será a sua melhor companheira de viagens nesse período conturbado.

– Chegue a locais próximos com rapidez

Se a sua necessidade diária de locomoção não envolve grandes distâncias, a bicicleta é a melhor opção. Ela te leva e traz com rapidez a lugares que você demoraria muito mais tempo se fosse a pé.

Para ir a locais mais distantes, você deve ter um melhor preparo físico e equipamentos que garantam segurança e eficiência, mas mesmo em locais distantes você poderá chegar pedalando.

– Menos trânsito na pandemia, ficou mais seguro usar a bike

Com as medidas de isolamento adotadas pelas autoridades, as ruas estão com um volume de veículos muito menor, fazendo que seja mais seguro pedalar caso você tenha necessidade de sair.

Por enquanto, existe uma maior segurança para pedalar por vários locais e a bike pode ser mais utilizada como transporte ao trabalho.
Mas continue atento aos locais por onde for pedalar e dê preferência por aqueles que são mais seguros, tanto em questão de trânsito quanto sobre roubos e furtos.

Também não esqueça de usar capacete e todos os itens de segurança e nunca pedale na contramão do trânsito.

– Pedalar promove a saúde do corpo de da mente.

As vantagens da bike na pandemia só aumentam pois a bike é um exercício anaeróbico, que promove a oxigenação das células, melhora a circulação sanguínea e traz aquela carga de serotonina e endorfina. Estes dois últimos são os hormônios do bem-estar e prazer, que somados aos benefícios de melhor circulação de sangue pelo corpo, garantem muita saúde.

Os impactos positivos dos exercícios no seu bem-estar, podem ser percebidos logo nos primeiros pedais. Cerca de 15 minutos de pedalada já são suficientes para trazer uma dose generosa de boas sensações.

– A bike é uma alternativa mais econômica que o carro

Com os reflexos econômicos da pandemia trouxeram perdas a milhões de pessoas no Brasil e no munfo. Com a redução de renda das famílias, foi necessário cortar gastos e o automóvel é um gasto mensal considerável para qualquer família.

Se você colocar os custos de IPVA, combustível e estacionamento, a economia que a bike traz é muito grande.

Em relação ao transporte público, usar a bicicleta também traz economia e ainda evita uma possível contaminação.

– Bagageiro da bike é muito útil

Compras pequenas podem ser feitas com uma bicicleta.

Para fazer compras de bike, basta colocar um bom bagageiro que suporte pelo menos 5kg. Então, o resto, é com a sua escolha de modelo, desde que acomode bem os produtos.

Você ainda pode usar uma caixa de feira adaptada no bagageiro ou alforjes, para aumentar a capacidade de carga.

Aqui, o que vale é o que fica seguro para usar e que tenha espaço e comodidade para acomodar as suas compras, sejam elas de supermercado, farmácia, feira etc.

A bicicleta tem suas limitações, mas, se você usá-la para os fins que ela atende bem, vai comprovar todas as vantagens da bike na pandemia.

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Cuidados para pedalar na chuva

Pedalar debaixo de chuva requer muito mais cuidado por parte do ciclista do que ele teria em um dia ensolarado.
Devemos sempre prezar pela nossa segurança e alguns cuidados são essenciais.

Confira algumas dicas para pedalar na chuva:


– Roupas

Nos tempos chuvosos devemos optar por roupas frescas e leves, que facilitem a transpiração, pois assim secam com mais facilidade.

Também é importante que tenha uma capa de chuva de boa qualidade, de preferência os modelos estilo poncho. Dessa maneira você irá proteger a cabeça, tronco e parte das pernas.

– Mantenha os pés secos

Se os seus pés estiverem molhados, você poderá derrapar do pedal com mais facilidade. Uma medida rápida de evitar isso é colocar uma sacola plástica em volta de cada pé para impedir o contato com a água.

Para quem quiser fazer um investimento maior nesse ponto, poderá investir em um overshoes, que é uma cobertura impermeável para proteger o seu calçado.

– Para-Lamas

Em termos de equipamentos de proteção temos os para-lamas, que é uma excelente maneira de se proteger da água que sobe do chão pelo movimento das rodas.

Se a sua bike não tiver suporte para para-lamas, opte por um modelo que possa ser fixado embaixo do garfo e no canote.
Para os ciclistas que utilizam bagageiros deve-se colocar um para-lama nessa parte também, para que sua bagagem fique preservada.

– Luvas

O uso de luvas é indicado em todas as situações e não somente em dias de chuva. Elas protegem suas mãos em quedas e garantem a aderência necessária para pedalar com mais segurança.

Existem modelos diferentes que podem ser utilizados no frio e no calor. No frio opte pelos modelos fechados e o calor escolhas as com os dedos para fora.

– Roupa Extra

Enquanto estamos andando de bicicleta corremos o risco de pegarmos uma chuva inesperada e ninguém gosta de ficar molhado.

Sempre é bom ter uma roupa de reserva para trocar nessas situações. Leve tudo em uma sacola na mochila (para que a roupa extra não fique molhada também) e troque tudo quando puder.

Com esses cuidados, a sua aventura debaixo de chuva vai ficar muito mais agradável. Cuide da sua segurança e aproveite ainda mais o pedal!

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Pedalar Sozinho ou em Grupo?

Alguns ciclistas preferem pedalar sozinhos, já outros não abrem mão da companhia durante o pedal. Ambas as opções trazem benefícios e vamos mostrar algumas delas para que você faça a melhor escolha para os seus treinos.

Pedalar em Grupo

Segurança
A primeira vantagem de pedalar em grupo é a segurança. No trânsito, um grupo vai ocupar mais espaço e impor mais respeito em relação aos carros que estão circulando.

A segurança em relação a assaltos também aumenta quando estamos pedalando com mais ciclistas.

Socialização
Quando estamos em um grupo de ciclistas, a chance de fazer novos amigos com gostos semelhantes é muito maior.

Aplicativos de ciclismos também são boas opções para encontrar novos grupos de pedal. Esses tipos de amizades geralmente extrapolam as ruas e estradas e se propagam para a vida.

Animação
Pedalar em grupos vai ser excelente quando você está desanimado e dificilmente teria vontade de sair para pedalar sozinho. Os parceiros de grupos incentivam uns aos outros e te trará mais animação.

Chuva e frio também são desafios que podem desanimar qualquer ciclista e a motivação extra e o apoio de um grupo fazem toda a diferença para ir pedalar.

Se você é novo em grupos, lembre que cada pessoa possui uma personalidade diferente e por isso tenha calma nesse novo estilo de vida e adapte-se a essa nova cultura.

Pedalar Sozinho

Liberdade
Quando não estamos com demais ciclistas temos a liberdade de definir o trajeto que queremos, realizar mudanças de percurso, decidir as horas de parar para descanso, entre outras questões.

Mas fique atento e pesquise com antecedência o trajeto que irá seguir ou antes por lugares conhecidos e movimentados. Toda cuidado é pouco quando estamos pedalando sozinhos.

Concentração
Muitos ciclistas preferem pedalar sozinhos pois esse momento é perfeito para refletir sobre a vida e o momento de exercício é ideal para esfriar a cabeça e colocar as ideias no lugar.

Determinação
Quando estamos desanimados e sem vontade de fazer qualquer coisa, precisamos de muita determinação para superar esses obstáculos e sair para pedalar.
Fazendo da bike um estilo de vida e estar sempre pedalando, vão te trazer a força de vontade e determinação necessárias para ir pedalar mesmo estando desanimado, pois afinal de contas, pedalar é uma das melhores coisas que existem na vida.

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada

Deixe a sua bike pronta para o próximo pedal!
Temos tudo o que você precisa aqui na Azupa

Vantagens de usar um canote retrátil

Esse item não está mais só restrito aos ciclistas profissionais que precisam de alto desempenho. Os ciclistas amadores também são beneficiados ao usarem essa peça, seja para treinos ou para lazer.

Photo: All Arround MTB Blogspot

Mas o que é o canote retrátil?

É um canote que possui sistema de regulagem hidráulico ou a ar, onde o ajuste da altura é feito de forma remota durante a pedalada.
O acionamento do sistema é feito de forma prática com um controle remoto pelo guidão.
Ao encarar uma descida íngreme precisamos jogar o corpo para trás e com essa peça, é só acionar o sistema para reduzir a altura do canote e depois voltá-lo à altura original quando encaramos uma subida.

Os canotes retráteis podem variar o tamanho entre 130mm a 150mm, com opções para atender as mais variadas modalidades, com alguns modelos com até três opções de ajuste de altura.

Vantagens do canote ajustável

Essa é uma peça que é muito usada nas modalidades de trail e enduro, onde é necessário encarar constantemente muitas subidas e descidas. Com o nível das pistas de XC ficando cada vez mais técnicas, a necessidade de uma condução mais agressiva pelos pilotos tornou necessário a utilização dessa peças nas provas.

As vantagens começam pela maior mobilidade que teremos nas descidas em velocidade onde precisamos de muita técnica e jogo de corpo para encarar esse desafio.

Esqueça aquele problema de ter a camisa ou bermudas largas presas no selim durante o pedal. O canote retrátil vai deixar o seu corpo livre para se movimentar e dar mais agilidade ao pedal.

Encare os estradões e subidas sem precisar descer da bike para ajustar a altura do canote. Sem ter a necessidade de ter descer da bike, seu desempenho será muito superior.

Photo: bikethomson

O uso desse tipo de canote também traz benefícios para as road bikes e gravel bikes.

Fazer curvas na estrada a mais de 40km com o canote baixo, faz com que o ciclista também fique mais abaixado melhorando a aerodinâmica, trazendo mais estabilidade e velocidade nesses trechos que exigem muita movimentação do corpo.

Nas gravel bikes e no ciclocross, a possibilidade de ajustar a altura do canote facilitará a transposição de obstáculos como descidas com pedras, terra e raízes.

Se você está pensando em fazer a troca do seu canote atual por um retrátil, converse com ciclistas que já utilizam o sistema para saber como foi a experiência de troca e utilização, assim você mais segurança antes de fazer o upgrade.
Se for possível, faça um teste em uma bike que já possua canote retrátil para você perceber na prática as vantagens de usá-lo.

Matéria base originalmente publicada em Revista Bicicleta

Dicas para montar uma bike personalizada

Muitos ciclistas sonham em montar a bike do seu jeito, escolhendo cada peça e prestando atenção em cada detalhe para a companheira de pedal seja única.
Mas existem muitas dúvidas que surgem antes de começar um projeto desse tipo, seja para os ciclistas iniciantes, experientes ou para os usuários que desejam experimentar um estilo de vida mais saudável.



Vamos ver algumas dicas para te ajudar nessa jornada.

– Descubra quais são os seus objetivos

A montagem da bicicleta precisa ter um propósito bem definido. Será uma bike para encarar as trilhas? Uma para uso urbano? Para competição?
 Sabendo qual será a finalidade da bike ficará mais fácil pesquisar os componentes e peças específicos para esse determinado uso, modelos e características de cada modelo da bike.
Pesquise os modelos, pergunte aos usuários, leia artigos e veja vídeos de especialistas. Se possível experimente os modelos existentes para saber se ele atende à sua necessidade.

– Planejamento

Sabendo qual será a finalidade da bike e tendo pesquisado as características, podemos começar a planejar a montagem dela. Nesse momento você terá a opção de realizar a montagem você mesmo ou procurar uma oficina de personalização.
Praticamente todas as oficinas podem lhe auxiliar pelo menos na montagem do projeto.
Optando por montar você mesmo, poderá pesquisar as peças e componentes, escolhendo as que possuem melhor custo-benefício, além de poder aprender como instalar as peças e resolver os problemas que surgirem.

– Adquirindo os componentes

As peças e componentes para bicicletas possuem muitas características, materiais e preços diferentes, pois as peças são diferentes para cada tipo de modalidade. Ao montarmos uma bicicleta do zero, temos a possibilidade de comprar as peças aos poucos, de acordo com o nosso orçamento.

– Monte uma mini oficina

Para realizar a montagem da bicicleta será necessário algumas ferramentas que lhe auxiliem na tarefa.
Manter uma mini oficina com as ferramentas necessárias também será aproveitado para realizar a manutenção periódica da sua bicicleta.

– Aproveite a experiência

A parte da montagem será um momento desafiador mas também pode ser muito prazeroso. Caso tenha alguma dúvida, existe muito conteúdo sobre a montagem de bicicletas na internet, com inúmeros tutoriais em vídeo com o passo a passo da montagem de cada componente. Aproveite essa experiência única e prazerosa.

Matéria base originalmente publicada em Julio Andó

Cicloviagem? Saiba o que levar

Para fazer uma cicloviagem, por mais curta que seja, é necessário se preparar e planejar muito bem cada trecho que irá percorrer e pensar nas paradas ao longo do trajeto. Também é necessário ter um condicionamento e preparo para poder encarar uma viagem com itens que fazem a bike pesar até 4 vezes mais.

E com tanto peso a ser levado, é importante pensar em cada item para que a sua cicloviagem seja prazerosa e segura.



Vamos ver alguns itens essenciais que você deve levar:

Ferramentas

Imprevistos irão acontecer e precisamos estar preparados. Levar um conjunto de ferramentas vai te ajudar a resolver problemas com a corrente, roda, pneu e outras partes.

Algumas ferramentas que devemos levar:

chave multiferramentas
chave de corrente
chave de raio
kit remendo
kit de espátulas para remover os pneus

Suprimentos

Esses itens vão garantir o apoio necessário para a sua cicloviagem dar certo. Seja para acampar numa trilha ou para preparar a refeição no meio do mato.

– barraca (item importante caso planeje ir para lugares onde não será possível conseguir alguma hospedagem)
– fogareiro
– panela
– talheres portáteis
– lampião ou lanternas
– garrafa térmica
– álcool em gel (para acender o fogo e realizar a limpeza das mãos)
– panos para limpeza
– sacolas plásticas (para armazenar lixo, roupas sujas)

Vestuário

Como serão vários dias de viagem também será necessário várias trocas de roupas para usar ao longo dos dias.
Leve uma quantidade compatível com os dias da sua viagem.

– camisas de ciclismo
– bermudas de ciclismo
– camisetas e bermudas comuns
– blusa
luvas de ciclismo
– óculos
capacete
– sapatilha
– tênis
– chinelos
– meias
– colete sinalizador
– boné e bandana
– capa de chuva

Higiene Pessoal

Sempre faça a organização desses itens com antecedência pois são muito fáceis de esquecer de levar.

– sabonete
– escova e pasta de dente
– fio dental
– papel higiênico
– lenços umedecidos
– toalhas de banho e rosto
– protetor solar
– pomadas antiassaduras
– repelente

Itens extras para a bicicleta

Alguns itens e peças da bike precisam de atenção pois podem precisar de substituição para que você possa prosseguir com a sua cicloviagem.

pneu reserva (de kevlar pois são mais leves e dobráveis)
câmaras reserva
bomba de ar portátil
– raio reserva
corrente
pastilhas de freio
lubrificante
cadeados
– silver tape para emergências

Não esqueça de definir bem a rota da sua cicloviagem, levando em conta o tempo que pretende pedalar diariamente e verificar lugares em que poderá fazer as paradas de descanso.
Levar consigo seus documentos de identificação é muito importante e caso planeje viajar para outros países, não esqueça o seu passaporte!

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada