Arquivo da categoria: Peças

Bombas de ar para bicicletas

As bombas de ar são equipamentos fundamentais para qualquer ciclista, seja em trilhas, estradas, passeios ou até mesmo para uso em casa.

Existem diferentes tipos de bombas, além das vantagens e desvantagens de cada uma.
Vamos falar sobre os principais modelos para que você possa escolher o melhor para você!

Tipos de Bombas de Ar

Bomba de Mão

São as bombas mais compactas que podem ser facilmente transportadas com você durante o pedal. Elas podem ser feitas de materiais como plástico e alumínio, ou também em fibra de carbono. As de alumínio são as mais recomendadas pois são leves e resistentes e não tem um custo muito alto.

Fique atento a qual válvula a bomba deve ser utilizada. Elas podem ser para válvulas grossas (schrader/americana), para válvulas finas (presta) e existem modelos que atendem a esses 2 tipos de válvulas. Em alguns modelos, a cabeça da bomba (onde o encaixe com a válvula é feito, pode ser fixa ou ter uma mangueira.
Nesses casos, a mangueira facilita o encaixe no bico da câmara, já que alguns tipos de aros possuem perfil alto, ou quando o cruzamento dos raios dificulta o encaixe.

Quanto maior for o tamanho da bomba de mão, maior será a sua capacidade de calibragem, pois as bombas muito curtas não conseguem comprimir ar suficiente para passar dos 60 PSI.

Escolha modelos que possuem trava pois esse dispositivo faz com que a bomba não deixe o ar escapar ou que ela se solto da válvula.
Bombas com cabo retrátil garantem uma pegada mais firme com a mão e modelos com manômetro são de grande ajuda devido ao medidor de pressão.

– Vantagens das Bombas de Mão

Leve e compacta
Ideal para MTB e outros categorias que não exigem alta pressões.
Fácil transporte (podendo ser levada no quadro, bolsas de selim, mochilas etc)
Suporta válvulas presta e americana
Excelente custo-benefício

– Desvantagens das Bombas de Mão

Impossibilidade de encher pneus de bikes de estrada
As mais simples não possuem manômetro ou cabo retrátil
As feitas de plásticos tendem a ter uma durabilidade e vida útil menor

Bombas de Quadro

São modelos com tamanhos maiores, que lhes proporciona um volume maior de ar, e se encaixam no quadro da bike.

As bombas de quadro podem ser de plástico, alumínio ou também em fibra de carbono. Elas são mais voltadas para as bikes de estrada, devido ao seu formato e funcionamento, tendo em vista que a maioria só atende as válvulas prestas (finas).

Pode aplicar altas pressões, que passam de 110 PSI, sendo que alguns modelos podem ter manômetro. Se a bomba não possuir manômetro, o ideal é que você tenha um medidor digital de pressão para saber identificar o nível de ar do pneu.

Nesses modelos, a cabeça de encaixe pode ter trava ou não, e é fixa, o que poderá atrapalhar dependendo da posição do bico da câmara no aro da bike.

– Vantagens das Bombas de Quadro

Trabalha com pressões mais altas que podem passar dos 110 PSI
Leveza
Pode ser utilizada em casa ou nos intervalos das pedaladas
Modelos encontrados em diversos  materiais, com manômetro e trava.
Encaixa-se muito bem em quadros de bikes de estrada

– Desvantagens das Bombas de Quadro

Não é compacta
Não possui mangueira para encaixe
Pode não encaixar em alguns modelos de mountain bikes

Bombas de Pé (ou Bombas de Piso)

São os modelos ideais para se ter em casa, nas garagens ou nas oficinas das bicicletarias.
A maioria dos modelos é feita de plástico ou de alumínio e conta com manômetro. São de tamanho grande, com cabo longo, suporte para pegar com as duas mãos e todas possuem mangueira.

– Vantagens das Bombas de Pé

Enchem completamente qualquer pneu de bicicleta
São mais resistentes que os demais modelos
Podem ser usadas para calibrar pneus de carro
Maioria tem manômetro

– Desvantagens das Bombas de Pé

Limitada ao uso  em casa ou para transporte em carros
Modelo mais simples podem custar mais do que as bombas de mão e de quadro simples

Outros tipos de bombas de ar

– Bombas de suspensão

Utilizadas em amortecedores e garfos de suspensão a ar, a bomba de suspensão é diferente dos outros modelos pois prioriza a pressão ou invés do volume de ar. Compatível apenas com válvulas schrader.

– Cartuchos de CO2

São utilizados nas emergências em provas e competições. O cartucho de CO2 permite encher um pneu em pouco mais de 3 segundos.
As desvantagens desse tipo é o preço e a impossibilidade de reaproveitar o cartucho.

Algumas bombas que enchem pneus também servem para calibrar suspensões a ar. Mas é necessário um bico específico só para o encaixe na peça, que é diferente para as válvulas schrader e presta. Não tente calibrar sua suspensão com bombas sem essa função, correndo o risco de danificar a peça.

Ciclistas iniciantes cometem o erro de não ter uma bomba de ar pensando que sempre encontrará um posto de gasolina pelo caminho ou que terá um “ciclista amigo” para salvá-lo. Ter sempre uma bomba de ar à mão será a sua salvação

Matéria base originalmente publicada em Bike Registrada
Equipe a sua bike aqui na Azupa!

Garfo Rígido ou Suspensão para MTB?

O garfo rígido vai te fazer encarar as subidas com facilidade e a suspensão amortece os impactos durante as trilhas. Cada uma dessas peças possuem suas vantagens e saber qual escolher para ter mais desempenho é essencial para melhorar o seu pedal.

Orbea Alma M-LTD 17

Primeiro é necessário definir qual é o seu objetivo no pedal pois é possível ter melhor performance com um garfo ou suspensão específico, seja para treino, competição ou lazer.

GARFO RÍGIDO

Um garfo rígido vai te fazer encarar as subidas com mais facilidade devido à estabilidade da roda no solo. Também vai reduzir o peso da bicicleta e com isso, aumentar a velocidade, pois fica mais fácil arrancar com menos peso.
Os modelos de alumínio geralmente pesam um pouco mais de 1kg e os de fibra de carbono pesam muito menos.

A contra partida é que com o garfo rígido o cansaço dos membros superiores será maior, principalmente nos pedais longos.

Vantagens:
– Redução do peso da bicicleta
– Encarar subidas com mais facilidade
– Arrancadas mais ágeis
– Atingir e manter altas velocidades com facilidade
– Estabilidade maior

Desvantagens:
– Sem amortecimento dianteiro
– Cansaço mais rápido nos membros superiores em pedais longos
– Alguns modelos de garfos deixam a bicicleta mais baixa
– Custo elevado de alguns modelos de fibra de carbono

SUSPENSÃO

A suspensão é um componente da bicicleta que auxilia na superação de obstáculos e terrenos acidentados e também traz mais conforto ao pedal.
Embora seja fácil de confundir, suspensão é a peça que vai na parte dianteira da bicicleta, sendo que as peças que vão na traseira são os chamados amortecedores.
A maioria dos modelos pesam quase 2kg e esse peso em uma única peça irá demandar muito mais esforço nas subidas, arrancadas e para manter a velocidade.

Em trilhas de alta velocidade, as suspensões amortecem os buracos, pedras, raízes que a bike encontra, evitando possíveis acidentes que poderiam acontecer ao atingir esses obstáculos de frente.

Saiba mais sobre todo o sistema de suspensão da bike

Vantagens:
– Amortecimento contra impactos dianteiros
– Segurança em descidas para trilhas e terrenos acidentados
– Maior conforto para pedais longos
– Modelos com recursos variados (como travas) para melhorar o desempenho em subidas e descidas

Desvantagens:
– Maior peso
– Custo elevado nos modelos mais leves
– Mais esforço em subidas
– Necessidade de manutenção periódica

O que é o Sistema de Suspensão da Bike?

A suspensão é um item essencial para a bike de ciclistas que vão encarar terrenos acidentados e não querem perder performance.

Mas afinal de contas, o que é a Suspensão da Bike?

Suspensão é um componente da bicicleta que auxilia na superação de obstáculos e terrenos acidentados e também traz mais conforto ao pedal.
Embora seja fácil de confundir, suspensão é a peça que vai na parte dianteira da bicicleta, sendo que as peças que vão na traseira são os chamados amortecedores.

E quais são as partes de uma Suspensão?

Falando de forma simplificada, as suspensões são compostas de quatro partes: espiga, coroa, canelas e monobloco.

Espiga

A espiga integra a suspensão ao quadro da bike e é a parte cilíndrica que vai por dentro da caixa de direção, junto com a mesa ou avanço. Já é muito comum que as bikes saiam de fábrica com o padrão oversize aheadset de espiga, sendo um sistema sem rosca e de maior diâmetro.
A maioria das suspensões usam a medida de 1-1/8” (uma polegada e um oitavo) para as espigas, onde podemos notar visualmente que é um padrão nivelado, sem ter uma ponta mais larga que a outra.
Mas também existem as suspensões com espiga tapered (tipo cônica), tendo medida de 1.5”  (uma polegada e meia) em sua parte inferior e são feitas para uso exclusivo em quadros com tubo e caixa de direção cônicos.
O material utilizado nas espiga mais simples, normalmente é o aço e nos modelos mais tecnológicos, costumam usar alumínio ou fibra de carbono para reduzir o peso e ter mais performcance.

Coroa

A coroa é a base onde a espiga está fixada e na maioria dos modelos é feita de aço, porém da mesma maneira que a espiga, nos modelos mais tecnológicos, pode-se usar alumínio ou fibra de carbono para confeccionar essa parte, fazendo com que a rigidez do conjunto fique maior.

Canelas (ou Bengalas)

São as hastes que estão em cada lado da coroa e que abrigam o sistema de amortecimento da suspensão.

Monobloco

Parte inferior da suspensão onde as canelas são encaixadas e que fazem a ligação do conjunto com as rodas e eixo dianteiros.
É uma peça única ligada por um arco que busca dar maior rigidez à estrutura e evitar que a suspensão torça e chegue a se romper.

Agora que sabemos das partes, vamos falar do Sistema de Suspensão

Existem 3 tipos de sistemas de suspensão para bike e elas são classificas conforme o seu sistema de amortecimento: Elastômero, Mola e Ar/Óleo

Elastômero

Suspensão mais básica e o seu funcionamento é feito com um elastômero.
Os elastômeros são tubos de poliuretano que podem ter diferentes densidades, fazendo com que a suspensão seja mais macia (menor densidade) ou mais dura.

Apesar do elastômero ser muito leve, o conjunto desse tipo de suspensão pode ser mais pesado devido à qualidade dos demais materiais.

Custo de manutenção é bem baixo, mas seu rendimento e absorção também.
Indicada para passeios urbanos.

Molas

São mais acessíveis e muito pesadas. Utilizam uma mola em cada bengala o que faz com que a bicicleta “pule” muito.
É necessária a lubrificação do conjunto regulamente com uma graxa específica para ajudar no funcionamento.

Custo de manutenção baixo, mas seu rendimento e absorção também.
Indicada para passeios urbanos.

Ar e Óleo (hidráulico-pneumático)

É o sistema de melhor funcionamento, pois é possível realizar muitos ajustes nele para cada tipo de pilotagem de cada ciclista.
Utiliza materiais de alta tecnologia, como carbono, titânio, alumínio e etc, sendo mais leves que os demais modelos, pesando de 700g a 2kg.
Na bengala esquerda fica a câmara de ar, que é calibrada de acordo com o peso do ciclista, e do lado direito fica o sistema hidráulico, com os ajustes de compressão e trava.
A trava deixa a suspensão mais rígida, o que otimiza a energia das pedaladas em subidas e sprints em retas.
Nesse sistema também é possível ajustar o retorno da suspensão ao seu curso total, podendo ajustar o controle de retorno em maior ou menor velocidade. Esse ajuste fica na bengala direita, embaixo do monobloco.

Custo de manutenção é um pouco elevado.
Indicada para trilhas, competições e passeios.

Uma dica importante é que você sempre leia o manual de instruções do fabricante para saber as instruções corretas de manutenção.
Nele você encontrará as orientações sobre a periodicidade da realização de uma manutenção preventiva, pois quando o ciclista começar a ouvir algum barulho estranho ou algum vazamento é sinal que o sistema já está prejudicado.

Matéria adaptada de Bike Registrada