Arquivo da tag: XCO

Como funciona uma prova de e-bike?

No Cannondale MTB Festival,  realizado entre os dias 19 e 21 de julho de 2019, em Mairiporã-SP, aconteceu a prova do primeiro campeonato nacional de mountain bike elétrica da América Latina.

A modalidade, até então inédita, teve a responsabilidade de abrir o evento na sexta-feira (19), com a disputa em uma pista de 5,9 km e 178 m de altimetria acumulada por volta.

A competição de E-Mountain Bike no XCO (cross country olímpico) teve todas as chanceladas da CBC (Confederação Brasileira de Ciclismo) e da UCI (União Ciclística Internacional).

© Haibike

Mas como é uma disputa de E-MTB?

Conquistando cada vez mais adeptos nas ruas das cidades, as bikes assistidas por motor elétrico são fortes aliadas na mobilidade urbana nas cidades. As e-bikes também vem ganhando espaço nas trilhas pelo mundo e um campeonato de mountain bike é um marco no esporte brasileiro.

O 1º Campeonato Brasileiro de E-Mountain Bike (E-MTB), ou como já está sendo chamado de e-XCO (cross country olímpico com mountain bikes elétricas) foi realizado na cidade de Mairiporã, no estado de São Paulo.

O uso dos motores elétricos nas bicicletas de montanha sempre foi um assunto polêmico, mas é uma tendência que veio para ficar, tanto é que a UCI realizou o 1º Campeonato Mundial de e-Mountain Bike, no Canadá, entre os dias 28 de agosto e 01 de setembro.
O sul-africano Alan Hatherly levou o título no masculino e no feminino, a vencedora foi a suíça Nathalie Schneitter.

Para a regular o novo esporte, a UCI (União Ciclística Internacional) criou algumas regras para as novas provas de e-bike chanceladas oficialmente pela entidade, como é o caso do Brasileiro de E-MTB.

Brasileiro de e-XCO

A pista de 5,9 km em Mairiporã reuniu renomados ciclistas do mountain bike nacional de diferentes gerações. Os títulos ficaram com o fluminense Albert Morgen (multicampeão no cross country olímpico no Brasil no final dos anos 90 e 2000) e com a paulista Patrícia Loureiro (bicampeã mundial máster de Downhill).

Campeão brasileiro de E-MTB Albert Morgen – © Gustavo Epifanio

“Me senti com uma felicidade dobrada. Andar de mountain bike já é muito legal, ter uma bike com motor assistido é ainda mais bacana. Sou o primeiro campeão brasileiro de E-MTB e até agora em todas as provas que competi com a minha e-bike, desde 2017, fui campeão. Estou firme para disputar o Campeonato Mundial”, contou Albert Morgen.

Já a campeã Patrícia Loureiro comentou: “acredito que dê para pedalar de bike elétrica até uns 80 anos de idade. A maioria das pessoas ainda não conhece a bike elétrica, mas posso afirmar que não existe nada mais divertido. Iniciei no motocross com 5 anos de idade e fiquei até os 14. Em seguida fui para o downhill. E, posso falar, que bike elétrica é uma diversão maior do que o motocross e mais difícil do que o downhill, é incrível. Ela te impulsiona e na descida você desce normal, é como se você estivesse descendo também. Exige muito tecnicamente”.

Regras universais

Provas de E-MTB sob chancela da UCI – © Patrick Pichon
  • Somente são permitidas e-bike com motor elétrico que oferece assistência a pedalada, isto é, é necessário pedalar para receber o impulso do motor;
  • Competições de e-bike oficiais da UCI são abertas para atletas a partir dos 19 anos de idade, homens e mulheres;
  • A potência máxima permitida do motor elétrico é 250 watts;
  • Velocidade máxima disponibilizado pelo motor elétrico de 25km/h;
  • Quando não está pedalando sua e-bike, ou seja, empurrando, o ciclista poderá receber assistência do motor limitada a 6 km/h;
  • Os ciclistas devem competir até o final da prova com a mesma e-bike e a mesma bateria;
  • A e-bike não poderá receber assistência na área de apoio, como recarga da bateria ou bateria extra.

Matéria originalmente publicada em Red Bull

Peças e acessórios para a sua bike?
Você encontra aqui na Azupa!
Temos tudo para a sua #vidacombike aqui

Henrique Avancini e Letícia Cândido levam as provas XCO e XCM no Campeonato Brasileiro MTB 2019

O ciclista Henrique Avancini confirma o favoritismo e leva o Campeonato Brasileiro de MTB nas modalidades Cross Country Olímpico (XCO) e Maratona (XCM) realizado na região serrana de Mairiporã, em São Paulo.

A mineira Letícia Cândido comemorou os títulos inéditos na carreira, também levando ambas as provas.

Henrique Avancini © Rodrigo Barreto

XCO

O público pode acompanhar de perto a definição dos campeões brasileiros de cross country olímpico no último sábado (20/07)

Na Elite Masculina, Avancini manteve a liderança durante toda a prova e na terceira volta conseguiu abrir uma distância confortável para os demais competidores.
Foi o 14º título de Avancini em provas de XCO.

Henrique Avancini © Luis Claudio Antunes – CBC

“Corrida duríssima. Eu queria muito manter essa camisa no meu peito, é uma grande honra e um grande prazer. Essa era uma prova que todo mundo esperava que eu ganhasse, e fico feliz de não ter decepcionado a galera. E ter ajudado a fazer essa festa maravilhosa. É diferente de como se eu estivesse em uma prova internacional, porque eu estou em casa e a sensação é muito melhor. É especial ver esse carinho, ver como as pessoas vibram com o mountain bike, com um biker brasileiro, pra mim é sensacional viver isso, vivo um momento dos sonhos na minha carreira.” comentou Henrique.

© NG Fotos

Resultado Elite Masculina XCO

1 – Henrique Avancini
2 – Guilherme Muller
3 – Sherman Trezza
4 – Luiz Cocuzzi
5 – Rubinho Valeriano

Na Elite Feminina, a mineira Letícia Cândido confirmou que vive o melhor momento da carreira superando as últimas campeãs da prova, Raiza Goulão (tricampeã brasileira entre 2015 e 2017) e Jaqueline Mourão (vencedora em 2018).

“Foi um turbilhão de emoções, desde a largada sabia que não estava na minha melhor performance. Mas confiei no meu trabalho e contei um pouquinho com a sorte. Agradeço a toda minha equipe, que confiou no meu trabalho. Estou muito contente”, disse Letícia.

Letícia Cândido © Luis Claudio Antunes – CBC

A campeão de 2018, Jaqueline Mourão, liderava a prova e na metade final teve um furo no pneu traseiro, tendo que percorrer uma parte do circuito pedalando no aro da bike para chegar na área de apoio para realizar a troca.

Jaqueline Mourão © Luis Claudio Antunes – CBC

“Faz parte do esporte. Furei o pneu e tive que correr muito pra chegar no apoio para poder fazer a troca. Mas é importante saber que estou muito forte e que fisicamente e tecnicamente estou muito bem. Problemas mecânicos acontecem, é a gente tem que saber que isso faz parte do esporte. Semana que vem tem Jogos Pan-Americanos no Peru e é uma honra muito grande representar o meu país”, destacou Jaqueline.

© Gustavo Epifanio

Resultado Elite Feminino XCO

1 – Letícia Cândido
2 – Raiza Goulão
3 – Jaqueline Mourão
4 – Hercília Najara
5 – Viviane Favery

XCM

A prova de Maratona do Cannondale MTB Festival contou com percursos de 82 km e 41 km que passava por estradas e trilhas da região serrana de Mairiporã, em São Paulo.

No Masculino, Henrique Avancini faturou pela primeira vez na carreira o título brasileiro de cross country maratona.
A prova foi bastante disputada do início ao fim, sendo definida somente nos últimos quilômetros, quando Avancini fez o ataque na última serra, cerca de 5 km para o final, conseguindo abrir uma vantagem de pouco mais de dois minutos para o segundo colocado.

Henrique Avancini © Luis Claudio Antunes – CBC

“Competi ontem, então estava bastante cansado e precisei usar uma tática cautelosa, estudando mais os adversários e procurando o momento certo para tentar definir a corrida. Após o começo da prova consegui me destacar com o Bruno e a menos de 10 km do final consegui fazer uma aceleração no último trecho de trilha e me destacar. Super especial conseguir dois títulos brasileiros em casa, perto da minha família, que é onde eu encontro forças para superar todas as dificuldades”, afirmou Avancini.

O atual campeão mundial da maratona e segundo colocado na Copa do Mundo de XCO 2019, Avancini vai representar o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, em 28 de julho. Em seguida parte para a próxima etapa da Copa do Mundo em Val di Sole, na Itália, entre os dias 2 e 4 de agosto.

© Luis Claudio Antunes – CBC

Resultado Elite Masculina XCM

1 – Henrique Avancini
2 –  Bruno Lemos
3 – Sherman Trezza
4 – Gilberto Gois
5 – Edson Rezende

Na competição Feminina, Letícia Cândido entrou embalada pelo título de XCO, conquistado no sábado, e confirmou a incrível fase levando a medalha de ouro na prova.

Letícia Cândido © Luis Claudio Antunes – CBC

“Foi incrível finalizar minha participação com dois títulos nacionais. Eu estava muito preocupada por fazer as duas provas, mas meu treinador sempre me tranquilizou e disse que eu estava preparada. Apesar de tudo, Sofri bastante porque estava um pouco cansada da prova de XCO e tinha muita subida longa, subidas inclinadas e no final muitos tops, quase intermináveis, e acredito muito que tudo valeu a pena”, ressaltou Letícia.

© Luis Claudio Antunes – CBC

Resultado Elite Feminino XCM

1 – Letícia Cândido
2 – Viviane Favery
3 – Raiza Goulão
4 – Tania Clair
5 – Marcella Toldi

Henrique Avancini no pódio na Copa do Mundo de MTB na França

Henrique Avancini levantou a bandeira brasileira duas vezes no pódio na Copa do Mundo de MTB realizada em Les Gets, na França.
O brasileiro, integrante da equipe Cannondale Factory Racing, terminou a prova do cross country olímpico (XCO) na terceira colocação, após o segundo lugar na corrida de short track (XCC) realizada na sexta-feira.

Avancini na prova XCC © BARTEK WOLIŃSKI – RED BULL

No short track, estilo que tem lhe rendido seguidos resultados de destaque, Avancini fez uma prova agressiva, liderou e terminou no segundo lugar atrás do holandês Matheiu Van Der Poel. O brasileiro vinha do lugar mais alto do pódio que conquistou no final de semana anterior na etapa de Vallnord, em Andorra.

Henrique Avancini lidera na prova de short track (XCC) em Les Gets © BARTEK WOLIŃSKI – RED BULL

Na prova principal, o XCO, Avancini chegou a assumir a liderança colocando pressão nas principais referencias do esporte como o suíço Nino Schurter.
Schurter terminou na primeira posição, à frente do italiano Gehard Kerschbaumer, seguido de Henrique Avancini na terceira posição, repetindo a colocação da prova anterior em Andorra.

Junto com os pontos da prova de XCC, Henrique pulou da quarta para a segunda colocação geral da classificação na Copa do Mundo, apenas atrás do suíço Nino Schurter.

A próxima etapa da Copa do Mundo será em Val Di Sole, na Itália, entre os dias 2 e 4 de agosto.
Antes disso, entre os dias 19 e 21 de julho, Henrique Avancini volta ao Brasil para defender o título do Campeonato Brasileiro MTB em Mairiporã, interior de São Paulo. Já no dia 28 de julho, ele disputa a prova de cross country dos Jogos Pan-Americanos em Lima, no Peru.

Está acompanhado a Copa do Mundo de MTB?
Conta pra gente pra quem você está torcendo!

Tudo para a sua #vidacombike está aqui!

MTB Cross Country: diferença entre XCO e XCM?

O Cross-Country (XC) é a modalidade do MTB a mais praticada no Brasil, devido a facilidade de encontrar locais para praticar.
Assim como outras modalidades do MTB, o XC também é dividido em algumas categorias e as mais conhecidas são o Cross-Country Maratona (XCM) e o Cross-Country Olímpico (XCO).

Conheça os tipos de provas do MTB Cross-Country (XC)

Cross-Country Maratona (XCM)

É caracterizada por ser uma maratona de longos percursos, que variam de 60 a 120 quilômetros. Os trechos podem variar entre terra, trilhas e asfalto.
Uma de suas características é que o percurso não pode ter nenhum trecho em que os atletas passem duas vezes pelo mesmo local e as distâncias sobre o asfalto, ou rotas pavimentadas, não podem superar 15% do percurso total.

Por se tratar de uma prova longa e de ritmo forte, os atletas devem estar preparados com uma resistência física e com um bom controle psicológico.

Os atletas também devem levar seu próprio suporte técnico, que inclui ferramentas, câmara de ar e bolsas de hidratação.

Cross-Country Olímpico (XCO)

No XCO, o trajeto já é menor e é disputado em circuitos fechados, alternando trechos mais técnicos de trilhas e estradas.
O trajeto pode variar de 30 e 40 quilômetros e a largada normalmente é realizada em grupo.

Por ter uma dificuldade técnica bem mais alta que no XCM, o cross-country olímpico exige mais experiência do ciclista e mais potência muscular para superar as partes mais técnicas e difíceis do trajeto.

Diferenças entre as duas categorias

Cada categoria demanda técnicas e experiências diferentes do ciclista.
No XCO, por ser em circuito, o atleta passa pelo mesmo ponto diversas vezes e tem a possibilidade de analisar o trecho e melhorar a cada volta.
Já no XCM, a dificuldade está na distância do trajeto que é percorrida uma única vez, fazendo com que o ciclista tenha mais atenção com o terreno desconhecido e exigindo muito mais rendimento da bicicleta e do atleta.

Se interessou por alguma dessas categorias?
Escolha a que mais combina com você comece a praticar!

E se precisar deixar a sua bike pronta para encarar o XCO ou o XCM, pode contar conosco!
Tudo o que você precisa para a sua bike está aqui na Azupa!

Conheça os tipos de provas do MTB Cross-Country (XC)

Cross-Country é a prova disputada em estradas de terra, que possuem um alto nível de decidas e subidas técnicas em diferentes tipos de terreno e obstáculos naturais como pedras e raízes.
Essa modalidade do MTB é a mais praticada no Brasil, devido a sua versatilidade e custo do equipamento, além da facilidade de encontrar locais para praticar.

Da mesma maneira que as outras modalidades do MTB, o cross-country também possui diferentes tipos de provas, com formatos bastante variados. Vamos ver as características de cada uma.

Conheça os tipos de prova Cross CountryC

Cross-Country Olímpico (XCO)

post_tiposXC_XCO

São provas disputadas em um circuito fechado, com voltas entre 5km e 9km.  Os circuitos são uma mescla de trilhas e alguns trechos de estrada, com descidas e subidas técnicas com raízes e outros obstáculos.
As provas de XCO tem duração de 1h30 a 2h percorrendo uma distância total entre 30 e 40km. A largada é realizada em grupo e o vencedor será o atleta que completar as voltas em menor tempo.

Cross-Country Maratona (XCM)

post_tiposXC_XCM

Realizadas em estradões e trilhas, as provas podem apresentar diferentes tipos de terreno com variações de desnivelamentos. Nesse tipo de prova, o percurso não pode ter nenhum trecho em que os atletas passem duas vezes pelo mesmo local e as distâncias sobre o asfalto, ou rotas pavimentadas, não podem superar 15% do percurso total.
As provas de XCM tem duração de 3 a 6 horas e um percurso percorrido de 60 a 120km.

Cross-Country Ponto a Ponto ou Cross-Country em Linha (XCP)

post_tiposXC_XCP

Como o próprio nome diz, no cross-country ponto a ponto, as provas têm largadas em um local e a chegadas em outro, geralmente entre cidades diferentes.

O tipo de prova e as condições do terreno são semelhantes ao cross-country maratona, porém predominância de estradas de terra e com percurso menor, com no mínimo 25km e no máximo 60km.

Cross Country Eliminator (XCE) 

post_tiposXC_XCE

As provas do XCE são curtas e rápidas, disputadas em percursos de 500m a 1km, com obstáculos naturais e/ou artificiais como troncos, drops, escadas, pontes e construções de madeira que obrigam os atletas a fazerem muita força para conseguirem os melhores tempos.
As disputas são realizadas em baterias de 4 atletas, classificando os dois mais rápidos, até que se dispute a final com quatro competidores.

Cross-Country Short Circuit ou Short Track (XCC)

post_tiposXC_XCC

São provas rápidas, disputadas em circuitos curtos de 2 a 5km, com duração entre 30 e 60 minutos. As largadas são em grupos de no mínimo 15 atletas.

Além do circuito menor, os obstáculos naturais são de baixo nível técnico e, geralmente, são utilizados todos os tipos de mountain bikes pelos participantes.

Cross Country Time Trial ou Contra o Relógio (XCT) 

post_tiposXC_XCT

Consiste em largadas individuais contra o relógio, onde os atletas buscam fazer o menor tempo possível em percursos que podem variar de 5 a 25km.
Em algumas provas, a etapa do Time Trial tem largada com duas equipes. As colocações são definidas conforme o tempo dos competidores.
Esse tipo de prova só pode ser disputada como etapas de provas de XCS.

Cross Country Stage Race ou Por Etapas (XCS) 

post_tiposXC_XCS

É constituída de uma série de provas de cross-country, com no mínimo 3 e no máximo 9 etapas, realizadas em dias consecutivos. Essas etapas podem ter provas em diferentes formatos, exceto XCE, onde o atleta e/ou equipe deve terminar cada etapa respeitando o regulamento do evento para poder se qualificar para a próxima etapa.

Cross Country Team Relay ou Revezamento por Equipes (XCR)

post_tiposXC_XCR

São realizadas em um único evento, durante os campeonatos mundias, onde cada país participa com quatro competidores, sendo um Júnior, um Sub-23, um Elite e uma Elite.
Cada atleta corre uma volta no circuito de cross-country e depois passa para o próximo membro da equipe. Consiste em uma prova de estratégia.

Ultramaratona de MTB

post_tiposXC_UltraMaraton

A principal diferença da maratona e da ultramaratona é a distância no percurso. As ultramaratonas devem ter percursos acima de 160km em uma etapa contínua.

Endurance

post_tiposXC_Endurance

São provas que duram de 6 a 24 horas, com voltas em circuitos de XCO ou de XCT. São disputadas individualmente ou por equipes de revezamento, sendo considerado o vencedor o atleta/equipe que fizer o maior número de voltas durante a prova.

Qual dessas modalidade é a sua?
Conta pra gente a sua história com o XC!
Queremos saber da sua #vidacombike!

E se precisar deixar a sua bike pronta para encarar um XCT ou um XCC, pode contar conosco!
Tudo o que você precisa para a sua bike está aqui na Azupa!